Notícias – Coordenadoria de Serviços Psicossociais e de Saúde

Arte no isolamento social ajuda a ter dias mais leves

A nossa saúde mental tem sido testada com a extensão do isolamento social, dado o avanço da pandemia do novo Coronavírus. Contudo, esse período nos trouxe, para além dos protocolos de cuidado e distanciamento, um tempo de reflexão. Observamos o uso ora dado ao nosso tempo livre e como podemos usá-lo hoje, inclusive para nos conectarmos de outra forma com o que sentimos, pensamos e nas maneiras como reagimos diante das profundas mudanças que temos vivenciado em nosso cotidiano.

Agora, vivemos um momento fortemente digital, onde acessamos praticamente tudo – e interagimos com as pessoas – por meio de telas, num espaço restrito geralmente aos nossos lares, às vezes com um acúmulo de papéis e afazeres laborais e familiares provocadores de sensações de sobrecarga e cansaço – ou tédio. Assim, dispomos, de certo modo, de algum tempo livre para pensarmos em novos fazeres e experimentações criativas.

Nesse contexto, a busca por mecanismos de alívio das tensões decorrentes do enfrentamento de uma pandemia devastadora e do distanciamento social, os quais nos auxiliem a atribuir novos sentidos as nossas experiências e às transformações sociais que atravessamos, torna-se mais do que nunca indispensável! E é aí que as diferentes expressões da arte e o desenvolvimento de ofícios manuais podem se tornar poderosos remédios para a saúde mental.

Como apontam Coscrato e Bueno, a arte enquanto recurso terapêutico e de promoção de saúde mental promove o lazer/recreação; o desenvolvimento de habilidades motoras, visuais e espaciais; o aumento da auto-estima; a obtenção de material passível de interpretação e o relaxamento.

Em termos gerais, a arte significa a demonstração de sentimentos, pensamentos e emoções, através de pinturas, músicas, danças, artesanatos, filmes, teatro, dramatizações, literatura e desenhos, de modo que todas as suas manifestações aperfeiçoam o desenvolvimento da criatividade, expandindo as necessidades comunicativas humanas.

E onde a arte está?

Observe: se você já assistiu a muitos filmes durante a quarentena, assistiu arte. Se ouviu música para dançar, para se exercitar, para relaxar, para o bebê dormir: ouviu arte. Se fez fotos da janela, cantou de suas varandas, contemplou a arquitetura dos prédios, o desenho dos jardins: você produziu e observou artes. Se celebrou aniversários com bolo decorado em casa; se aprendeu uma maquiagem nova; se está apaixonado pelos cenários do vídeo game – artes! Assistiu ao Cirque du Soleil ou O Quebra-nozes, etc.? Artes. Literatura, poesia, peças de teatro gravadas: arte. Viu uma novela, uma animação emocionante? Arte… Mesmo que não tenhamos nos dado conta disso, as artes clássicas e populares viraram nossa grande saída no isolamento.

Artistas e plataformas digitais têm divulgado conteúdos diversos para que sejam vistos em casa, em sites próprios, redes sociais, aplicativos, etc. Da mesma forma, livrarias, plataformas de cursos e professores de várias áreas também estão oferecendo seus conhecimentos, por meio de seus canais digitais, gratuitamente. Com o mesmo propósito de compartilhamento e colaboração social, museus criaram ou disponibilizaram tours por suas dependências; há palestras e lives de todos os assuntos possíveis, e, assim, de repente, este virou um de nossos modos mais acessíveis à distração, novos aprendizados e lazer. Todas essas ações também podem ser pontes para fortalecer a convivência e integração sóciofamiliar.

Para milhares de pessoas ao redor do mundo, o fazer artístico, o mergulho no conhecimento ou na experiência da arte se fez presente, alimentando o sentimento de produtividade, ocupação, fruição e autossatisfação, equilibrando emoções e sentimentos ou até mesmo gerando bons momentos para autoreflexões e alívio do estresse. Como disse Fayga Ostrower, artista plástica brasileira, teórica de arte e professora, “a arte é uma forma de crescimento para a liberdade, um caminho para a vida”. E encontrar caminhos é o que esses novos tempos mais têm nos ensinado.

Diante de tantas perdas, reais e simbólicas, dentre elas, a do “pseudo controle” que julgávamos ter sobre o rumo de nossas vidas, de quais estratégias podemos lançar mão para amenizar o mal-estar que por vezes nos toma, de modo a trazer um pouco mais de leveza ao dia a dia?

 

Redescubra:

Livros e músicas, uma prática artesanal ou uma receita de família, aquele instrumento musical que aguarda receber atenção, o projeto de escrever um livro, poemas…

Re-olhe:

Arquiteturas, decorações; o layout de revistas, as ilustrações e capas de livros; jardins; o design dos carros, do seu talher favorito, de seu material de trabalho.

Aprenda:

Uma nova canção, um novo fazer, uma técnica que não teve tempo para aprender ou testar; a contar histórias; passos de dança – ou coreografias inteiras; origami; desenhar e ou pintar; pontos de bordados; como se projeta decoração.

Conheça:

Museus, centros históricos, casarões, exposições virtuais ou a produção de artistas plásticos por meio de tours virtuais ou vídeos e documentários no YouTube – podem ser uma boa inspiração para novos projetos!

Explore:

Seus sentidos: visão, olfato, paladar, audição e o tato. Nas artes visuais, desenho, pintura, vídeos, colagens, fotografia; para o olfato, perfumaria, essências; para provar, a gastronomia e bebidas; para ouvir, músicas, instrumentos musicais raros, podcasts, audiobooks; para manusear, a modelagem de massas, argila, bordados, costuras, tocar e cuidar de plantas, canteiros, fazer uma automassagem; etc.

Compartilhe:

O produto da arte comumente carrega memórias e sentimentos do autor. Se se sentir à vontade, compartilhe e estimule mais pessoas a mergulharem em outros mundos, a entrarem em museus e histórias literárias, a colocarem a mão… na massa!

E despreocupe-se de qualquer padrão de beleza! Aristóteles já dizia: “A finalidade da arte é dar corpo à essência secreta das coisas, não é copiar sua aparência”.

E se você gosta mais de apreciar, tudo bem. Com toda a sensibilidade, Fernando Pessoa já disse: “A ciência descreve as coisas como são; a arte, como são sentidas, como se sente que são.”

E você? O que tem feito? Descobriu ou redescobriu alguma nova forma de viver mais leve o isolamento social?

 

Texto: Alexsandra Lopes, formada em Artes Visuais, e Flávia Lima, psicóloga.

_____________________________________
Sugestões:
  • Cariacica: “ARtes Virtuais em Conversa”:
O que é: vídeos apresentando os trabalhos, obras, ateliês e métodos de inspiração e de produções dos artistas plásticos, visuais e artesãos de Cariacica.
Quando: toda terça-feira, às 19h, nas redes sociais (Facebook e Instagram) da Prefeitura de Cariacica.
Leia mais em: https://www.cariacica.es.gov.br/noticias/68290/artes-virtuais-em-conversa-a-vez-da-fotografia-de-amanda-bolonha
  • Cachoeiro de Itapemirim:
http://www.casaverde.org.br/?fbclid=IwAR06eaG8znWwDLwGSFB6lxK_AZRO6tp6mqy8u6dPgcoMqpglfCGb_z3anvg _ Projeto que acontece em Cachoeiro de Itapemirim.
Leia mais em: https://www.jornalfato.com.br/educacao/alunos-do-projeto-novos-talentos-recebem-aulas-pela-internet,357964.jhtml
Artesãs de Aves do Caparaó capixaba: https://g1.globo.com/sp/campinas-regiao/terra-da-gente/noticia/2020/05/29/aves-viram-arte-nas-maos-de-bordadeiras-do-espirito-santo.ghtml
  • Prefeitura de Vitória/ES:
Contação de histórias pela Prefeitura de Vitória: https://www.vitoria.es.gov.br/noticia/saci-tres-carneirinhos-e-o-rei-com-orelhas-de-burro-nas-historias-desta-terca-40920
https://www.vitoria.es.gov.br/noticia/odomode-e-casa-da-juventude-fazem-lives-sobre-hip-hop-e-dancas-urbanas-40890
https://www.vitoria.es.gov.br/noticia/escritores-capixabas-apresentam-suas-obras-em-nova-acao-on-line-40893
  • Rádio BandNews FM ES
https://es360.com.br/conheca-11-novos-artistas-para-ouvir-durante-o-isolamento-social/
  • Youtube:
https://www.youtube.com/watch?v=9167D5xK0T8 – 30 dicas práticas para ser artista
A youtuber Vivi Villanova dá 30 dicas do críticos de arte Jerry Saltz, para ser um artista no jeito descontraído dela. “Uma apaixonada por arte! A cultura muda nossa vida”, é como se apresenta Vivi Villanova, em seu canal.
  • Artesanato: https://www.youtube.com/channel/UC9FU_D517zcLEDAgYaL3LoA – das linhas Círculo.
  • Desafios online: Grupo “recria” obras de arte durante isolamento social no Facebook: A ideia surgiu em meio à quarentena por causa da pandemia da covid-19 como uma opção de distração e cuidado com a saúde mental https://exame.com/estilo-de-vida/grupo-recria-obras-de-arte-durante-isolamento-social-no-facebook/
  • Podcast:
No Uol: https://radiojornal.ne10.uol.com.br/audio/podcast/vida-em-sociedade/2020/04/27/a-importancia-das-artes-durante-a-pandemia-do-novo-coronavirus-18378
  • Espaços culturais de exposição abertos ao público virtualmente:
O museu do Louvre em Paris: O acervo do Louvre possui mais de 380 mil itens e mantém em exibição permanente mais de 35 mil obras de arte, distribuídas em oito departamentos. A seção de pintura é a segunda maior do mundo. – https://www.louvre.fr/en/visites-en-ligne
Pinacoteca do Estado de São Paulo – É o museu de arte mais antigo de São Paulo, contém um acervo de mais de dez mil peças da história Brasileira.
https://artsandculture.google.com/streetview/pinacoteca-do-estado-de-s%C3%A3o-paulo/ogFzI8ChtO96vg?hl=pt-BR&sv_lng=-46.6338008&sv_lat=-23.5343627&sv_h=49.335915869137324&sv_p=0&sv_pid=sw81l2mz7XZFfOK9pgCOag&sv_z=0.06419975775598086
Metropolitan Museum of Art: O Metropolitan é um museu de arte localizado na cidade de Nova Iorque, Estados Unidos, a coleção permanente inclui obras de arte da antiguidade clássica e do antigo Egito, pinturas e esculturas de mestres europeus e uma ampla coleção de arte moderna americana.
https://www.metmuseum.org/
  • Para olhar arquitetura:
https://www.instagram.com/franparente/
  • Para matar a saudade das paisagens do ES:
https://www.instagram.com/fotos_capixaba/
  • Para falar de dança até com as crianças:
http://spcd.com.br/brincadeiras_de_danca.php
  • Web-exposição:
https://prospeccoesafetivas.medialab.unb.br/
http://www.acervocal.unb.br/
Leitura complementar: https://www.ibirapuera.br/artenaquarentena/
Bibliografia:
COSCRATO,  G ; BUENO, S. M. V 2009. A luz da arte nos Centros de Atenção Psicossocial: interface com o cuidado. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental, vol. 1,n. 2. Out/Dez de 2009.

 

“Novo normal”, meio ambiente e saúde

A pandemia do novo coronavírus, segundo especialistas, teria tido sua origem em algum momento que o vírus teria “saltado” de algum animal para o ser humano.  Os estudos apontam que, inicialmente, teria vindo de alguma espécie de morcego, que teria infectado um animal intermediário, possivelmente o pangolim (mamífero ameaçado de extinção) e depois chegado ao ser humano.

Outros vírus também possuem sua origem em outros animais. Há poucos anos, vivemos um surto de febre amarela no Brasil em que primatas com o vírus foram picados por mosquitos, que o transmitiram ao ser humano.
Dessa forma, os estudos apontam que a causa da pandemia atual e outras epidemias que vêm surgindo são as intervenções do homem no meio ambiente.

“As doenças transmitidas de animais para seres humanos estão em ascensão e pioram à medida que habitats selvagens são destruídos pela atividadehumana. Cientistas sugerem que habitats degradados podem incitar e diversificar doenças, já que os patógenos se espalham facilmente para rebanhos e seres humanos.” (Nações Unidas, 2020)

Se é ambiente, estamos no meio. Por mais que a espécie humana, historicamente, colocou-se em um patamar ilusório de ser superior e externo ao meio ambiente, fazemos parte. Nesse sentido, trazemos nesse mês do meio ambiente, algumas reflexões sobre nossas práticas ambientais.

Estudos e nossas experiências têm mostrado que o isolamento social produziu impactos positivos no meio ambiente: clareamento dos canais de Veneza, redução de emissão de poluentes, aproximação de espécies da flora e fauna, dentre outras surpresas boas! Por outro lado, há mais geração de lixo e uso de energia, por exemplo.

Em um “novo normal”, expressão bastante usada para definir o pós-pandemia, ficam reflexões sobre como se dará esse relacionar-se com o meio ambiente.

Novas práticas ambientais já se fazem presentes em nossa sociedade, mesmo que ainda não façam parte do cotidiano da maioria, podendo crescer nesse “novo normal” que se apresenta. As implicações na saúde física e mental das pessoas são evidentes.

Podemos dar alguns exemplos: a procura por alimentos orgânicos, sem uso de agrotóxico, tão prejudiciais ao meio ambiente e aos seres humanos; a redução do lixo e, por tabela, a diminuição da poluição, com a adoção de compostagem dos resíduos orgânicos, como casca de ovos, casca de frutas e verduras; a redução do plástico; a utilização de opções reutilizáveis, como sacolas de pano e fraldas ecológicas; a utilização de opções de limpeza naturais, como sabão de coco, vinagre, bicarbonato e o uso de esponjas naturais, dentre outras; a utilização de bicicletas e o hábito de andar a pé.

Além disso, como prática que contribui com a promoção da saúde mental, muitas pessoas têm citado o cuidado com plantas e animais. Plantar e cuidar das plantinhas, cultivar hortas caseiras, criar animais de estimação, têm-se apresentado como atividades promotoras de saúde.

Outro dado importante é a contemplação dos ambientes naturais e a vivência próxima de ambientes saudáveis e mais naturais como fatores de redução de ansiedade e stress. O modo de vida ocidental se afastou de tal proximidade, ficando a vida cada vez mais conectada e corrida, gerando impactos na saúde física e mental das pessoas. Desse modo, uma nova relação com o meio ambiente produz também um novo modo de vida.

O “novo normal” se apresenta e, com ele, a oportunidade de reinvenção. Nesse sentido, novas práticas que produzem saúde podem ser criadas, levando-se em conta como a questão ambiental nos afeta!

Texto:
Ricardo Miguel, psicólogo da CSPS/SGP.

______________

Referências:
CRIADO, Miguel Ángel. Crescem as evidências de que o pangolim foi o animal de origem do coronavírus. El País, 27 de mar. de 2020. Disponível em <https://brasil.elpais.com/ciencia/2020-03-27/crescem-as-evidencias-de-que-o-pangolim-foi-o-animal-de-origem-do-coronavirus.html>. Acesso em: 04 de jun. de 2020.
LEGNAIOLI, Stella. Dicas para uma vida sustentável na quarentena. ECycle. Disponível  em: <https://www.ecycle.com.br/7997-quarentena-sustentavel.html>. Acesso em: 04 de jun. de 2020.
SURTO de coronavírus é reflexo da degradação ambiental, afirma PNUMA. Nações Unidas, 6 de mar. de 2020. Disponível em: <https://nacoesunidas.org/surto-de-coronavirus-e-reflexo-da-degradacao-ambiental-afirma-pnuma/>. Acesso em: 04 de jun. de 2020.
VEIGA, Edson. Estudo identifica Amazônia como origem do mais recente surto de febre amarela do Brasil.. G1, 23 de ago. de 2018. Disponível em: <https://g1.globo.com/bemestar/febre-amarela/noticia/2018/08/23/estudo-identifica-amazonia-como-origem-do-mais-recente-surto-de-febre-amarela-do-brasil.ghtml>. Acesso em: 04 de jun. de 2020.
________________

Observar, compreender, recalcular e continuar!

Em função da pandemia do novo Coronavírus, estamos em absoluto processo de adaptação: o modo de viver, em todos os âmbitos da vida, em escala mundial, cobra-nos uma nova postura, novos cuidados, novos jeitos de fazer.

Otimistas, acreditávamos que a fase de isolamento social seria curta e a vida normal, bem conhecida e com suas rotinas, seria retomada em breve, apenas com novas histórias para contar junto aos amigos e familiares.

No entanto, o que temos visto é que a obtenção e produção de uma vacina que nos protegerá da COVID-19 levará ainda algum tempo; que o isolamento social permanece a melhor forma de proteção; que sair de casa inclui todo um ritual de higienização de cada item que saia conosco (e de todo o corpo) ao voltarmos pra casa; e que o mesmo acontece com cada embalagem ou sacola que venha do supermercado, da padaria, da feira.

Antes, a vida era muito voltada para fora, vivida em várias comunidades. Agora, temos que viver mais voltados para nós mesmos, com mais convivência familiar, trabalhando de casa, criando lazeres domésticos e com a tecnologia encurtando as distâncias. Apesar de tudo, continuamos vivendo.

Dentro dessa fase tão desafiadora, deparamo-nos muito mais com a presença do outro com quem habitamos, a fluidez de produção é avaliada dia a dia, observamos nossa forma de ser e estar e reestruturamos um modo próprio de viver. A Coordenadoria de Serviços Psicossociais e de Saúde/SGP vem tratando sobre este novo contexto em diversos textos em seu link, no Portal Eletrônico do PJES, e, também, por email.

Refletindo sobre essas questões e observando seus pacientes, a endocrinologista, Dra. Leticia Izoton, conta que no início da quarentena conversou com vários pacientes “sobre não se cobrar tanto. Já era esperado que nossa rotina ficasse conturbada – o autocuidado (com alimentação, atividade física, sono), o trabalho, a produtividade, até os relacionamentos em casa”.

Baseados numa postagem dela em seu Instagram, @draleticiaizoton, compartilhamos algumas de suas observações e um exercício proposto por ela. Que tal experimentar?

____________________

– A reorganização é importante para seguirmos 𝐞𝐦 𝐟𝐫𝐞𝐧𝐭𝐞! Podemos nos sentir paralisados, mas criar um movimento ajudará a reduzir a ansiedade em que a pandemia nos inseriu.

– “A vida não voltará ao normal tão cedo. Certas coisas, inclusive, nunca mais voltarão”. Devemos observar nossas escolhas pra não ignorarmos a 𝐫𝐞𝐚𝐥𝐢𝐝𝐚𝐝𝐞 e nossas necessidades. Dra. Letícia complementa citando Ayn Rand, romancista e filósofa americana: “você pode ignorar a realidade, mas não pode ignorar as consequências de ignorar a realidade”.

– “𝐓𝐞𝐦𝐨𝐬 𝐪𝐮𝐞 𝐫𝐞𝐜𝐚𝐥𝐜𝐮𝐥𝐚𝐫 𝐚 𝐫𝐨𝐭𝐚! Quando saímos do programado, nem sempre nosso GPS interno consegue refazer a rota de forma automática como o Waze (aplicativo de localização para uso de mapas e rotas). (…) Mas, se você precisa fazer um esforço maior para sair da inércia, proponho um 𝐞𝐱𝐞𝐫𝐜𝐢́𝐜𝐢𝐨:

1 – Refletir sobre e 𝐚𝐜𝐞𝐢𝐭𝐚𝐫 o novo cenário, incluindo compreender que ele se estenderá por mais tempo. Já pensou na possibilidade disso só acabar em 2021? Como pretende viver {ou sobreviver} até lá?

2 – Redefinir os 𝐨𝐛𝐣𝐞𝐭𝐢𝐯𝐨𝐬. Quais precisam ficar para trás? O que você precisa dar continuidade? Quais precisam de adaptação? Algum novo?

3 -Levantar os 𝐫𝐞𝐜𝐮𝐫𝐬𝐨𝐬. Quais ferramentas você tem disponível, hoje, para dar continuidade aos seus planos?

4- Levantar os 𝐩𝐨𝐧𝐭𝐨𝐬 𝐩𝐨𝐬𝐢𝐭𝐢𝐯𝐨𝐬 . O que este novo cenário já te trouxe de bom? Como tirar proveito da situação atual?


—– Use papel e caneta”.
_____________________

Para algumas pessoas, os ajustes já aconteceram e essas reflexões podem parecer atrasadas, mas se você ainda se sente paralisado em algum aspecto da sua vida {pessoal, profissional, saúde, etc}, vale o exercício. “𝐀 𝐯𝐢𝐝𝐚 𝐭𝐞𝐦 𝐪𝐮𝐞 𝐜𝐨𝐧𝐭𝐢𝐧𝐮𝐚𝐫!”

E não se esqueça, se precisar, procure ajuda. Nós, da CSPS, continuamos à disposição!

Matéria elaborada a partir do post da Dra. Letícia Izoton em seu perfil com sua autorização. Ela é médica, atua na área de endocrinologia e metabologia e trabalha com Medicina Preventiva e Integrativa, Ortomolecular e Ayurveda, Gestão da saúde e qualidade de vida, atende em Vila Velha e é parceira da CSPS em nossas ações de saúde.

Saúde!

Texto: Alexsandra Lopes e equipe CSPS.

Parceria/Atividade: Médica Dra. Leticia Izoton (@draleticiaizoton).

Caso queira salvar para fazer mais tarde ou compartilhar:

 

 

Pandemia, homeoffice e bem estar psicológico

 

Grandes acontecimentos como a pandemia nos mobilizam a mudar. Nossos demarcadores psicológicos da vida cotidiana foram todos “bagunçados”: mudou-se o horário para acordar, dormir, comer, descansar; onde e como trabalhar e estudar; não temos mais os espaços físicos como escola, organização e de lazer para definir nossas rotinas; o trabalho, a família, o ócio e o entretenimento tomaram nossa casa e disputam por tempo e espaço.

Para nós, trabalhadores do Judiciário, (e muitos outros), o lar passou a ser lugar de trabalho. Vimo-nos da noite para o dia em home-office, sem que estivéssemos preparados para isto. Tampouco nossas atividades de trabalho foram organizadas para serem executadas à distância. Muitos de nós, seguramente, não dispõem em casa de um espaço exclusivo para trabalhar, de forma que consigamos separar o trabalho das demais atividades do lar.

Por um lado, trabalhar em casa possibilita estar mais próximo da família e conciliar algumas necessidades laborais e familiares. Por outro, pode criar conflitos entre os horários de trabalho, dos afazeres domésticos e de lazer ou devido às interrupções constantes dos familiares, que estão em casa todos os dias, o dia todo.

Por conta disso, certamente, muitos vivem um turbilhão de sentimentos, na tentativa de se adaptarem à nova condição, ainda que temporária. É natural que, com tudo isso, não tenhamos o mesmo nível de desempenho no trabalho como antes.

Entretanto, situações de crise como a que vivemos podem ser oportunidades de aprendizagens e crescimento. Afinal, somos convocados a reagir e a buscar soluções criativas, que geram novos conhecimentos e importantes aprendizados.

Para que possamos trabalhar em casa de foma mais leve e tranquila, podemos, por exemplo, estabelecer alguns marcadores como: criar um espaço físico de trabalho improvisado, arrumar-se como se estivesse saindo para trabalhar, colocar na porta placas de “não interrompa” e “silêncio” para que demais membros da família não atrapalhem seu trabalho, usar fone de ouvido para melhorar sua concentração, modificar os horários e intervalos de trabalho, solicitar mais apoio e compreensão da família quanto à divisão de tarefas domésticas. Enfim, o importante é pensar de forma criativa o que pode ser mais proveitoso para você nessa fase.

___________
Giovana C. Dantas da Silva, psicóloga.

E equipe CSPS.

 

Licenças para tratamento da própria saúde, maternidade e para acompanhamento de pessoa da família.

Considerando a necessidade do isolamento social fundamental à contenção da pandemia do Covid-19, o período de suspensão das perícias médicas foi novamente prorrogado até o dia 15/06/2020, conforme o Decreto IPAJM 4601-R de 19/03/2020 e as Portarias Nº 06-R, de 16 de abril de 2020 e Nº 07-R, de 15 de maio de 2020, anexos a este.

As orientações sobre os procedimentos relativos aos afastamentos para tratamento da própria saúde, para acompanhamento de pessoa da família (novos pedidos ou prorrogações) e licença maternidade permanecem os mesmos, conforme segue:

  • Os servidores deverão informar sua chefia acerca da necessidade de afastamento e da quantidade de dias assim como guardar a documentação original em local seguro para sua devida regularização quando as atividades presenciais do protocolo geral e desta Coordenadoria se normalizarem.
  • As perícias médicas do IPAJM estão suspensas até dia 15/06/2020 de acordo com a Portaria Nº 07-R, de 15 de maio de 2020, publicado no Diário Oficial do Estado, nesta segunda, 18/05/2020, podendo ser prorrogado tal prazo, porém todos os servidores serão periciados no retorno das atividades do instituto e as licenças homologadas retroativamente de forma excepcional.
  • Os atos administrativos de concessão de licenças serão todos publicados também de forma retroativa de acordo com os atestados médicos originais e as guias de inspeção médicas homologadas pelo IPAJM.
  • Continuaremos enviando atualizações a respeito.
    Contamos com a compreensão de todos!

Para mais esclarecimentos, entre em contato conosco pelo email csps@tjes.jus.br. Estamos à disposição!

Nº 07-R de 15 de maio de 2020 – prorrogação IPAJM

 

Relacionamentos familiares em quarentena

 

A pandemia da COVID-19 tem afetado o mundo de diversas formas, socialmente, psicologicamente e nas formas de estarmos e transitarmos nos espaços. O isolamento social, principal medida de prevenção ao contágio, inaugurou novos comportamentos e rotinas no ambiente familiar.

Crianças sem ir às escolas, pais trabalhando de casa, ausência de rede de apoio são as principais novas configurações que observamos. Tais mudanças, por si sós, já trazem novas necessidades, afinal, de uma hora para outra, os horários e hábitos precisaram ser modificados. Soma-se a isso a angústia, ansiedade e sentimentos de incerteza quanto ao futuro relacionado a pandemia.

Por conta desse cenário, é comum observar um aumento no número de conflitos intrafamiliares, pois os papéis de cada um precisaram ser ressignificados. As tarefas domésticas, os cuidados com as crianças, o “homeschooling”, precisaram ser redistribuídos. O trabalho se acumula. Muitas vezes o sentimento de não estar “dando conta” de tudo que é preciso fazer impera e pode trazer desestabilização emocional.

É preciso reconhecer que é um período difícil e todos na família estão aprendendo a lidar com as novas configurações, especialmente as crianças e os idosos, que podem ter mais dificuldade em lidar com as mudanças. Para ajudar nesse período, seguem algumas orientações:

É um período transitório, mas não hesite em buscar ajuda profissional caso sinta necessidade!

Saúde!!

 

Vanessa Frazzi, psicóloga,

e equipe da CSPS.

 

O enfrentamento de outras condições de saúde em tempos de pandemia

 

A atual pandemia da COVID-19 tem colocando em destaque uma série de questionamentos relacionados ao enfrentamento de algumas condições de saúde, tais como a gravidez, a maternidade, os ciclos de vida, além das doenças crônicas e agudas em si.

Concomitante ao isolamento social, defendido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como a melhor forma de prevenir o contágio pelo novo Coronavírus, muitas pessoas vivenciam esse momento ao longo de tratamentos importantes, a exemplo dos oncológicos, de hemodiálise e dos psiquiátricos, que merecem atenção especial, além de situações de urgência e emergência, tais como os traumas, os infartos, os acidentes vasculares cerebrais (AVC) dentre outros, quando é necessário “descumprir o isolamento”.

Enfrentar a realidade nessas condições pode ser uma fonte de sofrimento, gerando reações que tendem a prejudicar o estado de saúde. Assim, é importante atentar para a valorização de informações seguras prestadas pelos profissionais de saúde e demais órgãos oficiais que buscam soluções para a continuidade do tratamentos em curso.
Quais estratégias precisam ser adotadas?

  • Todos os pacientes que estejam passando por uma situação especial de saúde, devem seguir as recomendações básicas para a prevenção de contágio pela COVID-19, tais como a lavagem das mãos, o uso de álcool em gel, o uso de máscara, o distanciamento social, dentre outras;
  • Nenhum tratamento deve ser interrompido ou alterado por conta própria, em algumas situações é possível consultar à distância, a exemplo da telemedicina e das consultas de psicologia;
  • Baseado em protocolos, alguns tratamentos podem ser modificados, mas quando não é possível postergar a terapia, os cuidados ao sair de casa devem ser redobrados, principalmente em ambientes de maior risco de contágio, tais como os ambulatórios e os hospitais.
  • Nos casos urgentes (tais como em acidentes, sinais e sintomas de AVC ou infarto, trabalho de parto, dentre outros), é necessário procurar de imediato o serviço de saúde, pois os quadros podem evoluir muito rapidamente. Nessas situações, o serviço de atendimento móvel de urgência (SAMU) pode ser acionado pelo 192;
  • É muito importante ter em mente que a pandemia é passageira e que apesar das dificuldades enfrentadas, todas as epidemias que marcaram a história da Humanidade tiveram início, meio e fim. Estar preparado emocionalmente é muito importante para passar esse momento com mais equilíbrio e saúde, mesmo vivenciando outros tratamentos.

Saúde!

____________________ Juliana Schunk e equipe CSPS.

 

Datas festivas em meio à Pandemia: é possível comemorar?

No momento de pandemia que estamos vivenciando, o distanciamento social é uma medida preventiva fundamental para minimizar os riscos a disseminação da Covid-19, tal como recomendado por diversas organizações de saúde. Embora a medida restritiva seja de extrema relevância, impede-nos, por outro lado, de estarmos fisicamente próximos de diversas pessoas importantes em nossas vidas, como familiares e amigos, principalmente em confraternizações sociais e dias festivos.

Datas como Páscoa, nascimentos, aniversários, casamentos, dia das mães, dentre outras dotadas de significados socioculturais costumam ser acompanhadas no Brasil por interações e condutas que envolvem contato físico e maior fluxo de circulação nas ruas. Nas convencionais reuniões comemorativas, indivíduos e grupos cumprimentam-se com beijos, apertos de mãos, abraços e engajam-se em saídas para compras de presentes ou idas a supermercados e centros comerciais.

Contudo, no atual contexto sanitário, tais comportamentos acabam potencializando os riscos de contágio. Por isso, manter o distanciamento social e evitar a aproximação física das pessoas, incluindo aquelas que amamos, ainda que sejam desafios aos quais ainda estamos aprendendo a nos ajustarmos, tornam-se, paradoxalmente, um ato de cuidado individual e coletivo.

Diante deste cenário, as comemorações necessitam ganhar novos significados, com altas doses de CRIATIVIDADE. A distância da família e dos amigos não significa que o dia não possa ser celebrado de outra forma especial e com muita afetividade, tanto ou até mais do que seria em uma reunião presencial.
A recomendação é estar distante FISICAMENTE e não AFETIVAMENTE. Mesmo com o distanciamento físico, é fundamental fortalecer as redes de apoio social e afetiva, tendo em vista serem mecanismos protetores e promotores de resiliência e da saúde física e mental.

Diversos estudos ratificam que, nós, seres humanos, somos criaturas sociais, envoltos em complexas relações e conexões sociais, as quais são essenciais para o bem-estar e qualidade de vida. Para Pistole et al. (2010, apud Ganchinho, 2011), mesmo distante, quando há separação geográfica, os indivíduos podem manter as relações sociais e afetivas, ou seja, elas não precisam terminar.

Afora todos os transtornos advindos com a pandemia, o período nos convida, principalmente, à reflexão sobre diversos âmbitos da vida e a valorizar o que realmente é importante. Ademais, neste momento, cabe aceitar o que estamos vivenciando para sair fortalecidos e desfrutarmos futuramente de encontros mais afetuosos e cheios de significados.

Não deixe passar em branco uma data comemorativa tão especial para você! Abuse da criatividade, expresse o que representa cada momento já compartilhado com seus amigos e familiares e o quanto deseja compartilhar novos em um futuro próximo. Enfim, o hoje é o instante mais propício para demonstrar o valor que uma pessoa tem em sua vida, ainda que não esteja ao seu lado. Telefone, faça uma vídeo chamada em grupo, escreva mensagens ou envie um email. Só não perca a chance de explicitar seus sentimentos e de se fazer presente, afinal, sua saúde mental e a do outro agradecem!

Aproveitando a oportunidade, fique em casa, mas viva o melhor dia das mães possível, protegendo-se e às suas queridas mães também, para que no ano que vem todos possamos celebrar juntos um dia das mães de muitos abraços!

 

BIBLIOGRAFIA:
GANCHINHO. Marisa Rosa Almeida. Mobilidade relacional: influência do estilo de vinculação e da vinculação ao local. Disponível em <https://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/4873/1/ulfpie039644_tm.pdf>. Acesso em: 08 maio 2020.

 

Flávia Lima, psicóloga, e Rosely Santos, assistente social.

 

 

 

Considerando a Resolução PJES nº 11/2020 e o art. 148 da Lei Complementar Estadual nº46/1994,

Apresentamos novas orientações sobre os procedimentos relativos aos afastamentos por Licença Paternidade a contar do dia 28/04/2020:

  • O requerimento de licença paternidade deve ser enviado via SEI à Coordenadoria de Serviços Psicossociais e de Saúde assinado pelo servidor requerente e pela chefia imediata.
  • O servidor deve anexar cópia da certidão de nascimento, do termo de guarda ou termo de adoção ao presente expediente.
  • Serão concedidos 20 dias de afastamento a contar do dia do nascimento da criança ou do dia de concessão da guarda ou adoção.
  • Tais regras são válidas para nascimentos e concessões de guarda ou adoção a partir do dia 28/04/2020.

Para mais esclarecimentos, entre em contato conosco pelo email csps@tjes.jus.br .

 

Solidariedade social, apoio mútuo e empatia

 

Há poucos meses deixamos de ser meros expectadores dos primeiros efeitos provocados pela assustadora disseminação da Covid-19, em outros países, para vivermos de forma gradativamente mais concreta seus impactos sobre cada detalhe de nossas rotinas familiares, de trabalho e sociais, descortinando-se um cenário de incertezas e apreensões que afetam a todos, em maior ou menor intensidade.

Estudos da Organização Pan-Americana da Saúde sugerem que 80% das pessoas apresentam manifestações sintomáticas de medo ou pânico diante de um fator de ameaça ou aproximação do perigo, o que tem se tornado absolutamente compreensível diante do número crescente de pessoas infectadas em todos os continentes. Felizmente, muitas delas já podem compartilhar seus relatos de superação da doença.

Outras, não tendo conseguido vencer quadros clínicos mais complexos, deixaram parentes e amigos de forma tão repentina, sem direito aos tão importantes ritos culturais de despedida, que a dor e as sequelas emocionais frente a tantas perdas humanas é algo que merece, no mínimo, respostas de cuidado, apoio e empatia por toda sociedade. Afinal, há algum dentre nós ou entre os “nossos” que ainda possa se considerar invulnerável nesse contexto?

Precisamos nos empenhar mais do que nunca não apenas em seguir as recomendações sanitárias dos órgãos oficiais de saúde para ajudarmos na prevenção e contenção das estatísticas diárias, mas sobretudo para buscarmos estratégias individuais e coletivas que contribuam com a minimização dos efeitos das mais diversas faces da desigualdade social, da violência familiar, de preconceitos e violação de direitos, os quais neste cenário podem vir a se exacerbar em todos os espaços, incluindo o ambiente de trabalho.

Miguel Moratinos e Adama Dieng, representantes da ONU, enfatizam a importância de coibirmos, por exemplo, atitudes que estimulam a estigmatização de determinados grupos étnicos ou indivíduos (os que testaram positivos para COVID-19, seus familiares, profissionais de saúde, dentre outros) que estejam sendo associados negativamente ao novo coronavírus, como se neles estivesse sendo depositado todo o perigo por uma possível contaminação ou disseminação mundial da doença. E complementam: “ao invés de incitarmos discursos de ódio e discriminação o que precisamos mesmo é da solidariedade social para enfrentarmos um problema comum”.

Abaixo, seguem algumas reflexões a fim de transformarmos medos que disseminam desinformação e inibem os que mais precisam de ajuda, por recearem de ser excluídos por suas comunidades, em uma oportunidade de exercitarmos a empatia, colaboração e apoio mútuos frente aos desafios atuais.

 

Texto: Flavia Lima, psicóloga.

________________________ Equipe CSPS.

 

         

         

 

 

 

 

INFORMATIVO – Licenças para tratamento da própria saúde, maternidade e
para acompanhamento de pessoa da família.

Considerando a necessidade do isolamento social fundamental à contenção da pandemia do Covid-19, o período de suspensão das perícias médicas foi prorrogado, a partir de hoje, conforme o Decreto IPAJM 4601-R de 19/03/2020 e a Portaria Nº 06-R, de 16 de abril de 2020, por mais 30 dias.

As orientações sobre os procedimentos relativos aos afastamentos para tratamento da própria saúde, para acompanhamento de pessoa da família (novos pedidos ou prorrogações) e licença maternidade permanecem os mesmos, conforme segue:

  • Os servidores deverão informar sua chefia acerca da necessidade de afastamento e da quantidade de dias assim como guardar a documentação original em local seguro para sua devida regularização quando as atividades presenciais do protocolo geral e desta Coordenadoria se normalizarem.
  • As perícias médicas do IPAJM estão suspensas pelo período de 30 dias a contar da publicação do Decreto 4601-R no dia 19/03/2020 e por mais 30 dias de acordo com a Portaria Nº 06-R, de 16 de abril de 2020, publicado no Diário Oficial do Estado, nesta sexta-feira, 17/04/20, podendo ser prorrogado tal prazo, porém todos os servidores serão periciados no retorno das atividades do instituto e as licenças homologadas retroativamente de forma excepcional.
  • Os atos administrativos de concessão de licenças serão todos publicados também de forma retroativa de acordo com os atestados médicos originais e as guias de inspeção médicas homologadas pelo IPAJM.

Continuaremos enviando atualizações a respeito. Fique atento ao seu email!

Contamos com a compreensão de todos.

Para mais esclarecimentos, entre em contato conosco pelo email csps@tjes.jus.br.

Decreto 4601-R – Leia aqui o Decreto Oficial.

Portaria 06-R – Leia aqui a Portaria publicada, nesta sexta, 17/04/20.

Uso de máscaras é orientado a todos

O uso das máscara por todas as pessoas – e não mais exclusivamente por profissionais de saúde e pelos que apresentem sintomas suspeitos – é um dos assuntos mais debatidos nos últimos dias: por que mudaram para todos usarem e não só os doentes? É eficiente? Protege contra o Covid-19? Como higienizá-la?

A Coordenadoria de Serviços Psicossociais e de Saúde/SGP vem, por meio deste, apresentar  alguns pontos para melhor entendimento desta nova ação.

O Governo Federal e seu Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta comunicou que fará uma campanha digital para incentivar a produção caseira e o uso de máscaras individuais de pano.

O principal objetivo do uso da máscara é combater a propagação do coronavírus no Brasil. Alguns países já vêm adotando seu uso em espaços públicos, como na República Tcheca, ou para ir aos supermercados, como na Áustria.

A confecção caseira da máscara é de baixo custo e a torna reutilizável, podendo ser feita em tecido ou em tnt (Tecido Não Tecido), preferencialmente em duas camadas, para garantir mais efetividade. O elástico nas laterais devem se prender às orelhas de modo seguro e sem deixar folgas para a passagem do ar (de uma tosse, por exemplo).

Vale salientar que ao usá-la, a mesma cubra boca e nariz sem deixar espaços abertos e que ela não deve ser tocada pelas mãos sem a costumeira higienização com água e sabão ou álcool em gel 70. Também é importante atentar para o tempo de uso: no máximo por períodos de até quatro horas, mas há os que recomendem até duas horas. Portanto, devemos ter máscaras para substituição à mão e sacolas plásticas para guardar isoladamente a usada para posterior lavagem e higienização.

A mudança de posicionamento do governo é devido à dinâmica da pandemia. Trata-se de uma doença nova e o Brasil tem observado os métodos utilizados por outros países que começaram a lidar com o Covid-19 antes de nós e, assim, decide-se aplicar ou alterar métodos.

Dessa forma, hoje recomenda-se o uso de máscaras por todos: além de estarmos mais preparados para um possível retorno ao trabalho nas próximas semanas, as máscaras próprias ao trabalho médico poderão chegar mais rápido aos centros médico-hospitalares para a segurança das equipes. Todos saem ganhando.

Qualquer estratégia que puder colaborar para a diminuição do avanço da pandemia deve ser considerada importante e adotada tão logo seja possível, pois são baseadas em evidências.

Importante: o isolamento social está mantido! O uso de máscaras não permite que descuidemos disso. Vamos vencer esse vírus! Faça seu kit de máscaras.

Mas é eficiente?
Dependerá do cuidado, higiene e troca de cada um, pois ela reterá gotículas que saem de nosso corpo carregadas de possíveis vírus. Lembremo-nos que existem pessoas que apresentam nenhum ou quase nenhum sintoma, portanto, sim, as máscaras garantirão barreira e minimizarão o número de transmissões.

Protege contra o Covid-19?
O objetivo principal da máscara é o de evitar a disseminação do vírus. Ela também minimizará a contaminação pelo vírus, pois manterá parte do rosto protegido. A questão é que isso não altera a regra de não tocarmos o rosto e devemos estar atentos à troca da máscara conforme ela parecer úmida ou, pelo menos, periodicamente, com a devida higienização entre uma troca e outra.

Como higienizá-la?
“Pode lavar com sabão ou água sanitária, deixando de molho por cerca de 20 minutos. E nunca compartilhar, porque o uso é individual. Máscaras de pano para uso comunitário funcionam muito bem e não são caras de fazer” – Luiz Henrique Mandetta, Ministro da Saúde. E passar a ferro quente.

 

Notas fundamentais para o uso correto:

– A máscara não pode ser dividida com ninguém, nem com mãe, filho, irmão, marido, esposa etc.
– É importante ter elásticos ou tiras para amarrá-la acima das orelhas e abaixo da nuca. Desse jeito, o pano estará sempre protegendo a boca e o nariz e não restarão espaços no rosto.
Obs.: justamente por precisar ficar ajustada sobre o nariz e abaixo do queixo é que não se recomenda lenços – a não ser que se consiga fazer essas adaptações e o tecido for duplo.
– A máscara deve ser usada sempre que se precisar sair de casa.
Levar máscaras reservas se preciso for, fazer trocas e ter sacolas plásticas para guardar a máscara suja.

Anexo , mais informações sobre a higiene das máscaras caseiras.

___________________________________

Fontes:

www.saude.gov.br

https://g1.globo.com/bemestar/coronavirus/noticia/2020/04/02/ministerio-da-saude-divulga-manual-para-fazer-mascara-caseira.ghtml

https://exame.abril.com.br/ciencia/devemos-todos-usar-mascaras-o-debate-da-vez-sobre-a-covid-19/

____________________________________

_______________________________________________ Equipe CSPS/SGP

 

Saúde mental em tempos de Coronavírus (Covid-19)

 

Os brasileiros vêm enfrentando uma difícil fase nas últimas semanas devido à pandemia do novo Coronavírus (Covid-19).

Além do desgaste físico para cumprir com todas as recomendações do Ministério da Saúde para a prevenção do vírus, manter o psicológico em dia e controlar a ansiedade é de extrema importância neste momento, mas não exatamente uma tarefa fácil.

Primeiro, é crucial que cada um faça sua parte, seguindo as recomendações do Ministério da Saúde, tais como lavar as mãos com água e sabão frequentemente, evitar aglomerações, usar o álcool gel 70, entre outras.
Em segundo lugar, o isolamento social, meio mais eficiente para evitar a propagação do vírus, do qual decorre uma série de desgastes psicológicos e sociais.

Com tanta informação ao nosso dispor e a drástica mudança de rotina, é inevitável a ansiedade por uma notícia boa. E, sim, podemos encontrar várias se pararmos de focar tão exclusivamente nos problemas atuais.
O Brasil é o país com a população mais ansiosa do mundo, com 9,3% da população, de acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Por isso, é indispensável que a saúde mental esteja fortalecida para que possamos passar por esse momento da melhor maneira.

Confira mais algumas dicas:

Em Vitória/ES está disponível uma linha aberta para suporte e apoio emocional à população nesse momento de pandemia. Por meio de uma ligação, você consegue apoio para lidar com esse momento. O projeto acontece até dia 30 de Abril. Mais informações você encontra no cartaz junto a essa matéria.

Compartilhe suas preocupações: ao falarmos sobre nossas angústias, preocupações, aliviamos o nível de sofrimento. Conversar com os demais membros da família em casa e ouvir as crianças também é muito importante.

Mantenha-se ativo: manter uma rotina de trabalho mesmo em quarentena pode desligá-lo das notícias ruins. Brinque com os filhos, com os idosos, reveja álbuns de foto, arrume-se mesmo pra ‘ficar’ na sala, tome chá, leia um bom livro, pratique exercícios físicos, dance!

Esteja conectado: está certo que a tecnologia pode ser nossa inimiga em alguns casos, mas quando utilizada de maneira correta, ela se torna uma importante aliada em nossas vidas. Aproveite esse tempo e se conecte com pessoas distantes, assista um filme ao mesmo tempo com amigos, abuse das chamadas em vídeo.

Coloque lazer na sua rotina: os momentos de lazer podem ser cruciais neste momento. Ao se desconectar do trabalho, não se entregue às reclamações pelo tédio. Assista um bom filme, faça aquela sua receita preferida, crie novas, leia literatura brasileira (estamos no centenário de Clarice Lispector, por exemplo!)! Experimente jogos de tabuleiro, desenho, pintura. Divirta-se!

Há a necessidade de uma esforço especial para fazermos essa pandemia causar o menor impacto possível em nossas famílias, em nosso estado, em nosso país. É um momento histórico e é de fundamental importância que a solidariedade e a calma preencham nossos corações e mentes. Estamos juntos, ainda que separados. Vamos superar!

A equipe da CSPS-SGP segue à disposição via teletrabalho através do email csps@tjes.jus.br.

 

_________________________________________ Equipe CSPS

Higienização do lar com água sanitária pode? Pode sim!

 

Em virtude do momento de pandemia que estamos vivendo com o Covid-19, os cuidados com a nossa saúde e dos nossos entes queridos devem ser redobrados.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde (MS) tem recomendado uma série de medidas de prevenção contra o Coronavírus e uma delas é o fortalecimento de ações individuais de higiene e o isolamento social – sendo essas tidas como as mais eficazes para eliminar o vírus.

Vale ressaltar a importância de seguir todas as recomendações dessas instituições, visando a segurança e o bem estar da coletividade, para que, assim, possamos retomar a vida habitual tão logo seja seguro.

A Coordenadoria de Serviços Psicossociais e de Saúde – CSPS/SGP- continua com seus técnicos trabalhando remotamente para orientações e esclarecimentos, entre outras ações que visam colaborar para a saúde psicossocial de todos os trabalhadores do Poder Judiciário/ES.

Atentos às publicações oficiais de órgãos da saúde, a CSPS recebeu da Secretária da Saúde (SUS) de Contagem/MG a cartilha “Higienização faça certo – solução de hipoclorito para “matar” o coronavírus”. Nela são apresentadas informações que auxiliam as pessoas a higienizarem suas casas de maneira correta para que não haja foco do vírus.

Consulte-a aqui: Água Sanitária Cartilha.pdf.

 

Saúde para todos!

_________________________________________ Equipe CSPS/SGP

 

Cuidados individuais para o combate ao Covid-19

Sabemos que o momento é de grande cautela e cuidado com nossa saúde e a de nossos entes queridos devido ao quadro pandêmico gerado pela rápida propagação do Covid-19.

A Coordenadoria de Serviços Psicossociais e de Saúde – CSPS/SGP -, vem, por meio deste, reforçar as medidas de prevenção recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pelo Ministério da Saúde (MS) para o controle e a contenção máxima do vírus.

As ações individuais de higiene e isolamento social são as mais eficazes para eliminarmos o vírus o quanto antes do meio da população. Só assim retomaremos a vida social e nossas rotinas no mais curto prazo, com saúde e a tranquilidade de não sermos agentes transmissores.

Pedimos que cada um considere as medidas propostas pela OMS e pelo Ministério da Saúde como estratégias que visam a manutenção da vida, da segurança e do bem estar da coletividade, além de serem advindas de fontes seguras de informações quanto à pandemia. Essa fase vai passar!

No mais, nossos técnicos continuam trabalhando remotamente para orientações e esclarecimentos, entre outras ações que visam colaborar para a saúde psicossocial de todos os trabalhadores do Poder Judiciário/ES.

E a sua saúde mental? Está cuidando dela? Como?

Acompanhe algumas dicas:

Evite informações em excesso: estar constantemente conectado com as notícias pode te deixar mais ansioso(a) e preocupado(a), o que é ruim para sua imunidade. Pare para respirar. Respire fundo várias vezes e lentamente.

– Procure fazer coisas que te relaxem: é um momento delicado para todos e o pânico não ajuda nada a enfrentá-lo. Procure meditar, ouvir musica, ler, fazer alguma atividade física, etc…

– Procure ter um sono de qualidade: ter uma rotina de sono e evitar atividades estimulantes no período noturno são atitudes importantes para estar emocionalmente mais saudável.

–  Você tem se sentido só? Ligue para amigos, faça vídeo chamadas, compartilhe seus sentimentos. Conecte-se com as pessoas, converse sobre assuntos diversos. Fortaleça sua rede de apoio!

– Dentro do possível, busque levar uma vida normal: tente fazer as coisas no mesmo horário de sempre, ter uma rotina. Isso pode ajudar o dia a dia ser de um jeito mais tranquilo e organizado. As crianças devem entender que não estão saindo de casa não por medo de serem contaminadas, mas para proteger a saúde de pessoas mais vulneráveis, mostrando o quanto isso é importante e valoroso. Empatia!

– Lembre-se de que as crianças geralmente seguem as pistas emocionais dos adultos importantes em suas vidas; portanto, o modo como os adultos respondem à crise é muito importante: é fundamental que os adultos gerenciem bem suas próprias emoções e mantenham a calma, ouçam as preocupações das crianças, falem gentilmente com elas e as tranquilizem.

– Crie oportunidades para as crianças brincarem e relaxarem. E pra você também! Você pode e merece!

– Mantenha rotinas e horários regulares o máximo possível ou ajude a criar um novo ambiente, incluindo aprender, brincar e relaxar. Se possível, mantenha os trabalhos escolares, os estudos ou outras atividades rotineiras que não ponham em risco as crianças ou sejam contra as autoridades de saúde.

– Informe seus entes queridos de maneira realista: no caso de crianças e adolescentes e idosos mais debilitados, não minta para eles e forneça explicações verdadeiras, adaptadas ao seu nível de compreensão. Eles também podem estar se sentindo confusos e ansiosos.

Nessas situações, é muito importante cada um parar e pensar: O QUE EU POSSO FAZER DE MELHOR HOJE?

E lembre-se de lavar as mãos constantemente (não esquecer das costas das mãos, sob as unhas e polegares), evitar aglomerações, manter ambientes ventilados, uso de álcool em gel 70, caso seja impossibilitada a lavagem das mãos com água e sabão, entre outras.

 

_________________________________________________ Equipe CSPS/SGP

 

 

 

Boa tarde!

No atual momento de pandemia devido ao novo Coronavírus (Covid-19), pensar no próximo se tornou uma atitude indispensável. O Centro de Hemoterapia e Hematologia do Espírito Santo (HEMOES) está precisando de doadores de sangue devido ao baixo nível de seus estoques. A demanda diminuiu devido a pandemia do Covid-19.

As doações estão sendo organizadas por meio de agendamentos para evitar aglomerações. O horário de funcionamento do HEMOES é das 7h às 18:20h e o agendamento, das 7h às 17h. Além disso, as pessoas que não puderem agendar um horário, serão atendidas normalmente.

É importante ressaltar que todas as medidas de prevenção contra o novo Coronavírus (Covid-19) foram redobradas para receber os doadores.

Os agendamentos podem ser feitos por telefone ou email:

Telefone: 3636-7920

E-mail: capthemoes@saude.es.gov.br

Saiba mais acessando os PDF:

Folder 1

Folder 2

Folder 3

Folder 4

Por: Daniele Canholato Fernandes – Estagiária

Boa tarde, magistrados, servidores e estagiários!

Visando a evitar o aumento do contágio nas atividades de atendimento psicológico e social, as demandas à Coordenadoria de Serviços Psicossociais e de Saúde – CSPS – serão atendidas pelo e-mail csps@tjes.jus.br

Considerando-se a pandemia de Coronavírus amplamente noticiada, sabemos que, certamente, uma grande fase de estresse e ansiedade tornam esses dias de quarentena e mudança de hábito especialmente desafiadores.

Atentos a isso, estamos elaborando e selecionando materiais que pretendem colaborar no suporte a esses dias difíceis e continuamos à disposição para orientações e esclarecimentos também por e-mail.

Pedimos que aguardem nosso material e nos enviem sugestões, caso tenham.

Para hoje, segue anexo material informativo da Unimed, cooperativa reconhecidamente estabelecida na área de saúde do ES, atestada pelo uso da maioria dos servidores do PJES, para sensibilização e atenção aos importantes hábitos de rotina ao sair e voltar para casa em estado de pandemia viral.

Cuidemo-nos!

Respeitosa e atenciosamente.

Protocolos de entrada em casa. Ações contra o Coronavírus.

 

INFORMATIVO

CONSIDERANDO o Ato Normativo nº 61/2020 disponibilizado no e-diário de 18/03/2020;

CONSIDERANDO a classificação da situação mundial do Novo Coronavírus como pandemia;

CONSIDERANDO a necessidade de se manter a prestação dos serviços públicos;

CONSIDERANDO a necessidade de adoção de medidas temporárias de prevenção ao contágio pelo Novo Coronavírus (COVID-19);

Informamos aos magistrados, servidores, estagiários e publico em geral que, visando a evitar o aumento do contágio nas atividades de atendimento psicológico e social, realizaremos preferencialmente a resolução de demandas por telefone ou e-mail.

Estamos à disposição para orientações e esclarecimentos nos telefones 33342048, 33342141 e 33342143 e no email csps@tjes.jus.br

Pedimos a compreensão de todos.

Silvia Oppenheimer Pitanga Borges

Coordenadora de Serviços Psicossociais e de Saúde – TJES

Coronavírus: atualizações sobre o vírus

O último balanço divulgado hoje (17/03) pelo Ministério da Saúde contabilizou 234 infectados pelo novo Coronavírus. Em São Paulo, foi registrada a primeira morte pelo coronavírus, confirmada pelo governo estadual.

Com relação ao Espírito Santo, são 98 casos suspeitos, 54 descartados e 4 casos confirmados.

FIQUE ALERTA!

Para evitar a propagação de notícias falsas (as famosas Fake News), é de extrema importância a checagem das notícias em sites confiáveis, tais como o Ministério da Saúde (saude.gov.br/listacorona), SESA – Secretaria de Estado da Saúde do Espírito Santo (https://saude.es.gov.br/), o portal FioCruz (https://portal.fiocruz.br/) e os sites das Secretaria de Saúde do Estado (https://saude.es.gov.br/).

Além disso, o portal da Coordenadoria de Serviços Psicossociais e de Saúde do TJ/ES publicou uma matéria contendo informações sobre Infecções Respiratórias e o Coronavírus. Nela é possível ficar por dentro das informações tais como: prevenção, transmissão e sintomas.

Acesse pelo link: http://www.tjes.jus.br/institucional/setores/institucional-setores-institucionalsetoressecretaria-de-gestao-de-pessoas/csps-pagina-inicial/noticias-coordenadoria-de-servicos-psicossociais-e-de-saude/

Plano de contingência

Desde o surgimento dos primeiros casos do Coronavírus (Covid-19) na China, o Espírito Santo elaborou um Plano de Contingência a fim de evitar a propagação do vírus no Estado. Nele é apresentado hospitais referência para o teste da doença. São eles: Hospital Infantil Nossa Senhora da Glória (HINSG), em Vitória, referência em atendimento pediátrico, o Hospital Estadual Dr. Jayme Santos Neves (HEJSN), na Serra, o hospital Roberto A. Silvares em São Mateus, o hospital Silvio Avidos em Colatina, e Santa Casa de Cachoeiro do Itapemirim e o Hospital Infantil de C. Do Itapemirim, em Cachoeiro de Itapemirim.

DADOS ATUALIZADOS EM: Terça-feira, 17/03/2020

Clique aqui para ampliar ou imprimir:  Cartaz Saúde – Coronavírus

Por: Daniele Canholato Fernandes – Estagiária

Prevenção à doenças respiratórias como Influenza, gripes e Corona Vírus

Nas últimas semanas um alerta epidemiológico foi disparado: um novo vírus de infecção respiratória.

Conhecido como Coronavírus (CID10) – a doença é de uma família de vírus causadora de infecções respiratórias, cujos primeiros casos de isolamento por conta da doença aconteceram em 1937. Em 1965 o vírus foi descrito como “coronavírus” decorrente de seu perfil na microscopia, semelhante a uma coroa. E, recentemente, um novo agente do coronavírus foi descoberto em 31/12/2019, após casos registrados na China, Covid-19.

Transmissão

As investigações sobre as formas de transmissões do coronavírus ainda estão em andamento, porém, o que se sabe é que o contágio pode ser feito de pessoa para pessoa, ou seja, a contaminação acontece por meio de gotículas respiratórias (espirros, tosse) ou contato. Além disso, qualquer contato com pessoas com sintomas respiratórios (cerca e 1m de distância) gera exposição e risco de contaminação.

A contaminação, como na maioria das infecções respiratórias, pode ocorrer por:

  • Gotículas de saliva;
  • Espirro;
  • Tosse;
  • Catarro;
  • Contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão;
  •  Contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Sintomas

Os sintomas do coronavírus é muito semelhante aos de um resfriado ou gripe. No entanto, o coronavírus precisa de mais estudo e investigações para que seja caracterizado melhor os sinais e os sintomas da doença de fato.

Até o momento, os principais sintomas são:

  •  Febre.
  •  Tosse.
  •  Dificuldade para respirar.

Prevenção

O Ministério da Saúde orienta alguns cuidados básicos para reduzir o risco de contaminação.

São eles:

  •  Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização. Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.
  •  Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  •  Evitar contato próximo com pessoas doentes.
  •  Ficar em casa quando estiver doente.
  •  Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar protegendo a boca e o nariz com um lenço de papel e jogar no lixo.
  •  Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com frequência.
  •  Álcool em Gel.

A recomendação para os profissionais de saúde é a utilização de medidas de precaução padrão, ou seja, de contato e gotículas (máscaras cirúrgicas, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).

Tratamento

Não existe ainda um tratamento específico para as infecções causadas pelo coronavírus. Mas caso seja diagnosticado, é recomendado repouso e o consumo de bastante água, além de algumas medidas para aliviar os sintomas – conforme cada caso – por exemplo:

  •  Uso de medicamento para dor e febre (antitérmicos e analgésicos).
  •  Uso de umidificador no quarto ou tomar banho quente para auxiliar no alívio da dor de garanta e tosse.

É importante ressaltar que após o surgimento dos sintomas é fundamental procurar ajuda médica para que sejam feitos todos os exames a fim de saber de fato se é o coronavírus.

Coronavírus no Brasil

O Brasil possui dois casos confirmados no país até o momento. Eles não possuem relação entre si, mesmo que sejam residentes de São Paulo. Até esta segunda-feira (02/03/2020) o Ministério da Saúde divulgou que 433 casos estão sendo monitorados. Esses dados foram dados pelas Secretarias Estaduais de Saúde.

Até o presente momento, 162 casos suspeitos do coronavírus já foram descartados em todo o Brasil.

FIQUE ALERTA!

As notícias falsas vêm crescendo cada dia mais no mundo da internet, as chamadas Fake News. E com a chegada da coronavírus ao Brasil, o número cresceu consideravelmente nas redes sociais e, em especial, nos aplicativos de conversa.

É de extrema importância a checagem das notícias em sites de confiança, tais como o Ministério da Saúde, Sesa – Secretaria de Estado da Saúde do Espírito Santo, o portal FioCruz e os sites das Secretarias de Saúde do estado.

Por: Daniele Canholato Fernandes – Estagiária

Serviço Social do TJES lança cartilha sobre Licenças Médicas

A cartilha se encontra disponível on-line na plataforma da CSPS

A Coordenadoria de Serviços Psicossociais e de Saúde (CSPS/SGP) lançou uma cartilha com informações sobre as licenças médicas dos servidores efetivos do PJES.

A cartilha tem por objetivo informar os prazos, procedimentos e documentos necessários aos eventuais afastamentos do servidor por licença médica. Ela está disponível na página da CSPS no Portal Eletrônico do PJES e pode ser acessada a qualquer tempo.

Além disso, as informações na cartilha contribuirão para o correto envio dos requerimentos de licença, uma vez que tem sido recorrente o recebimento destes documentos com dados incorreto, gerando retrabalho e morosidade dos trâmites administrativos.

O material encontra-se disponível pelo link: http://www.tjes.jus.br/wp-content/uploads/Guia-de-Lincen%C3%A7as-M%C3%A9dicas.pdf

Serviço:

Cartilha: Orientações de Licenças Médicas.

Público-Alvo: servidores efetivos.

Link: http://www.tjes.jus.br/wp-content/uploads/Guia-de-Lincen%C3%A7as-M%C3%A9dicas.pdf

Pode ser solicitada em PDF através do contato: 3334-2048/3334-2141

Por: Daniele Canholato Fernandes – Estagiária

 

Saúde mental e trabalho são temas abordados pelo Conselho Nacional da Justiça

O curso é online e gratuito

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) abriu um curso online abordando o tema Saúde Mental. A ideia é desmitificar o assunto e chamar a atenção das pessoas para a importância da identificação e prevenção do adoecimento no ambiente de trabalho.

Desenvolvido pelo Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Servidores do Poder Judiciário do CNJ (CEAJUD), as aulas do curso serão realizadas a distância, de maneira autoinstrucional e são destinadas para todos os trabalhadores do Poder Judiciário. A carga horária é de 35 horas com conteúdo dividido em quatro módulos.

Entre os diversos pontos trabalhados, o curso aborda os principais transtornos mentais como a depressão, estresse, síndrome de Burnout e etc, oferece suas definições e os fatores que contribuem para o adoecimento. Além disso, ele trata das ações de promoção do autocuidado da saúde mental.

O Departamento de Pesquisas Judiciárias (DPJ) do CNJ, divulgou em 2017 que os transtornos mentais e comportamentais chegou ao quarto grupo de doenças expressivas no ambiente de trabalho, totalizando 17.826 ocorrências. Ainda sobre a pesquisa, ele informou que as doenças mais comuns em juízes e servidores são reações de estresse, depressão, transtornos de ansiedade, dores na coluna, sinusite aguda, diarreia, conjuntivite e resfriado.

O curso oferece um certificado de conclusão mas, para obtê-lo é necessário a realização de uma avaliação”.

Para se inscrever acesse o link: https://www.cnj.jus.br/eadcnj/mod/cicleinscription/view.php?id=80794&v=true

Por: Daniele Canholato Fernandes – Estagiária

SARAMPO NO ES

Caso é confirmado no município de Cariacica

Foi confirmado, nesta segunda-feira (12), o primeiro caso de Sarampo no Espírito Santo em seis anos. O Programa Estadual de Imunizações e Vigilância das Doenças Imunopreveníveis, por meio de nota informativa, orienta e alerta a importância da vacinação contra o sarampo para pessoas residentes ou que viajarão para os locais que se encontram em estado de surto da doença.

Além disso, devido à confirmação de um caso de sarampo vindo do município de Cariacica, é recomendável a vacinação em crianças de 6 meses a menores de 1 ano de idade ou que irão para municípios da Grande Vitória: Cariacica, Fundão, Guarapari, Serra, Viana, Vila Velha e Vitória.

A vacina do sarampo, conhecida como tríplice viral, é indicada a partir dos 12 meses de idade até os 49 anos. Para as pessoas com idades entre 30 e 40 anos que não sabem se foram vacinadas após um ano de idade, devem procurar uma unidade de saúde e tomar a vacina. Se você faz parte do grupo que nunca tomou a vacina do sarampo, fique atento pois, de 1 a 29 anos são necessárias duas doses.

É importante lembrar que a vacina tríplice viral imuniza, além do sarampo, a rubéola e a caxumba.

Transmissão

O sarampo é uma doença infecciosa, sendo transmitida de pessoa para pessoa por meio da tosse, espirros, fala ou respiração. Além disso, ela pode ser contraída por pessoas de qualquer idade pois suas micropartículas virais ficam no ar, por isso, tem um alto poder de contágio.

As complicações da doença acontecem, principalmente, em crianças menores de um ano de idade e desnutridas, podendo levar à morte.

Para ter uma ideia da gravidade do sarampo e da importância de manter a vacinação em dia, uma pessoa infectada pode transmitir para 90% das pessoas próximas que não estejam imunes. A transmissão pode ocorrer entre 4 dias antes e 4 dias após o aparecimento das manchas vermelhas no corpo.

Sintomas

– Febre Alta

– Tosse

– Coriza

– Conjuntivite

– Exantema (manchas avermelhadas na pele – aparecem primeiro no rosto e atrás da orelha, se espalhando pelo corpo)

– Outros sintomas como cefaleia, indisposição e diarreia também podem ocorrer

Reações

Não há reações neurológicas, porém, o paciente pode ter febre e dor no local da injeção, com possível inchaço. A vacina NÃO causa autismo.

“O resultado da vacinação não se resume a evitar doenças. Vacinas salvam vidas.”

Por: Daniele Canholato Fernandes – Estagiária

RODA DE CONVERSA

O projeto é um momento de troca de conhecimento, reflexão e diálogo a fim de discutir temáticas atuais e relevantes para a saúde e bem-estar no ambiente de trabalho

Pensado pelo psicólogo Ricardo Miguel e a ex-estagiária Victoria Maia, e desenvolvido pela equipe técnica da Coordenadoria de Serviços Psicossociais e de Saúde – CSPS/SGP, o “Roda de Conversa” vem proporcionando, há três meses, um espaço de conversa e discussão sobre assuntos atuais e que impactam o ambiente de trabalho das pessoas.

A ideia do projeto surgiu a partir da percepção do significativo índice de adoecimentos dos trabalhadores do Poder Judiciário/ES, baseado nos dados de afastamento por licença médica, além da análise das demandas dos atendimentos individuais. Com isso, percebeu-se a importância e a necessidade de se criar um espaço de troca de experiências, o que culminou na elaboração desse projeto a fim de que ele contribua para a prevenção de doenças e promoção de saúde.

Os encontros acontecem na última sexta-feira de cada mês, proporcionando um espaço de troca de conhecimento, reflexão e diálogo entre os participantes podendo discutir temáticas atuais e relevantes para sua saúde e bem-estar em diversos âmbitos da vida para o enfrentamento aos desafios presentes no cotidiano dentro do espaço de trabalho e na vida.

Os temas discutidos nos encontros são pré definidos em reunião com a equipe organizadora. Além disso, sugestões são pedidas para os participantes, a fim de trazer sempre assuntos do interesse de todos.

No primeiro encontro os participantes trabalharam o tema “Como produzir saúde no trabalho?”, e a equipe técnica avaliou de forma positiva o desenvolvimento da Roda, além de boas trocas de experiências e importantes reflexões. Já no segundo encontro o tema foi “Trabalho oposto de prazer… será?” O terceiro Roda de Conversa teve como tema “Como a Tecnologia influencia nossas relações?” sendo usado como disparador o poema “Redes Sociais”, de Bráulio Bessa.

As Rodas de Conversa acontecem sempre no Tribunal de Justiça do Espírito Santo, com duração de 1h30, com o limite de 15 participantes por encontro. Podem participar magistrados, servidores e estagiários de todo o Poder Judiciário/ES.

Por: Daniele Canholato Fernandes – Estagiária

Serviço Social – 25 ANOS DO CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL

No dia 15 de Maio é comemorado o Dia Internacional do Assistente Social e este ano, a equipe da Coordenadoria de Serviços Psicossociais e de Saúde – CSPS elaborou uma cartilha pelos 25 anos do Código de Ética Profissional do Assistente Social, a fim de informar sobre o trabalho desenvolvido pelos profissionais da categoria e como esses técnicos atuam na CSPS.

“A ideia do documento, além de representar uma normativa ética para o exercício dos profissionais nas instituições, apresenta um conjunto de princípios e valores que são defendidos pela profissão de Serviço Social em nossa sociedade, tais como: reconhecimento da liberdade como valor ético central; defesa dos direitos humanos; ampliação e consolidação da cidadania, com vistas à garantis dos direitos civis, sociais e políticas; defesa do aprofundamento da democracia; posicionamento em favor da equidade e justiça social; empenho na eliminação de todas as formas de preconceitos; compromisso com a qualidade dos serviços prestados à população; dentre outros. Esses princípios e valores se expressam nas intervenções realizadas pelos(as) assistentes sociais em seus diferentes espaços de trabalho”, diz o assistente social Carlos Costa, que atua no Poder Judiciário desde 2012.

Hoje, ser assistente social é ser um intermediário nas políticas públicas e sociais. É o técnico qualificado para tratar de projetos e ações da área social, promovendo a qualidade de vida e o exercício dos direitos sociais. A ética da profissão está representada em seu Código de Ética, com seu caráter normativo e jurídico e à disposição de quem desejar saber mais no site: http://www.cfess.org.br/arquivos/CEP_CFESS-SITE.pdf

O Código de Ética dos Assistentes Sociais define os direitos e deveres do profissional buscando a legitimação social da profissão e garante a qualidade dos serviços prestados. Ele evidência, acima de tudo, o compromisso ético-político com todos os trabalhadores e trabalhadoras.

A cartilha desenvolvida pela equipe da CSPS dispõe de variadas informações sobre a profissão e esclarece algumas dúvidas eventuais. Ela se encontra disponível para acesso on-line no http://www.tjes.jus.br/wp-content/uploads/Cartilha-Serviço-Social-25-anos-1.pdf da CSPS.

Parabéns a todos os profissionais Assistentes Sociais do Poder Judiciário/ES pelo empenho, esforço e o compromisso com os direitos e a cidadania das pessoas.

Fontes: Cartilha Serviço Social

Por: Daniele Canholato Fernandes – Estagiária


PROJETO RODA DE CONVERSA

Pensado pelo psicólogo Ricardo Miguel e a ex-estagiária Victoria Maia, e desenvolvido pela equipe técnica da Coordenadoria de Serviços Psicossociais e de Saúde – CSPS/SGP, o projeto “Roda de Conversa” tem como objetivo a promoção de saúde dos trabalhadores do Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES).

O projeto surgiu a partir da percepção do significativo índice de adoecimento dos trabalhadores do Poder Judiciário/ES, baseado nos dados de afastamentos por licença médica, além da análise das demandas dos atendimentos individuais. Diante deste contexto, verificou-se a necessidade de elaboração do projeto com a finalidade de contribuir para a promoção da saúde dos trabalhadores e prevenção de doenças.

Como forma de intervenção, a Roda de Conversa proporcionará um espaço de troca de conhecimento, reflexão e diálogo, onde os participantes poderão discutir temáticas atuais e relevantes para sua saúde e bem-estar em diversos âmbitos da vida para o enfrentamento aos desafios presentes no cotidiano dentro do espaço de trabalho e na sua vida.

As Rodas de Conversa acontecerão no Tribunal de Justiça do Espírito Santo, com duração de 1h cada, das 16h às 17h, com o limite de 15 pessoas por grupo. Podem participar servidores, magistrados e estagiários do Poder Judiciário do ES. É necessária inscrição prévia através do link: https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSexGd3K-2LZUGh6oPkx8VgsJHKxwW4siGpn5w2Eb-Dn8fTONQ/viewform

O primeiro encontro já tem data marcada e acontecerá no dia 31/05/2019, na CSPS ou em algum salão de evento do Tribunal de Justiça a ser divulgado posteriormente, com o tema “Como produzir saúde no trabalho?”.

Não vai ficar de fora, né? Vamos conversar?

Serviço

1a Roda de Conversa: “Como produzir saúde no trabalho?”

Data: 31/05/2019

Horário: 16h às 17h.

Local: CSPS ou em algum salão de evento do Tribunal de Justiça.

Link de inscrição: https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSexGd3K-2LZUGh6oPkx8VgsJHKxwW4siGpn5w2Eb-Dn8fTONQ/viewform

Por: Daniele Canholato Fernandes – Estagiária

JANEIRO BRANCO: CUIDANDO DA SAÚDE MENTAL

A campanha pretende chamar atenção de todas as pessoas e da sociedade, bem como das mídias e instituições sociais, públicas ou privadas, para a importância da Saúde Mental

Com seu surgimento em 2014, a campanha Janeiro Branco chega à sua 6º edição em 2019 com o intuito de sensibilizar a sociedade em favor da saúde mental. A campanha tem como objetivo chamar atenção, principalmente por meio das mídias e das instituições sociais, públicas ou privadas, para a promoção da Saúde Mental e o alarmante aumento no adoecimento das pessoas.

Estudos feitos pela OMS (Organização Mundial de Saúde) e Ministério da Saúde apontaram que o Brasil é considerado o país mais ansioso e estressado da América Latina, dados de 2017 e 2018, e, em quarto lugar, estão as maiores taxas de suicídio entre os jovens. Estes dados comprovam e alertam que precisamos falar sobre a Saúde Mental e o quão importante ela é.

A conscientização da população é uma etapa importante no combate a tais números por que esses acometimentos afetam os relacionamentos pessoais e profissionais, e a família e os amigos, muitas vezes, não sabem lidar com a situação. É imprescindível desmistificar a busca de ajuda profissional pois sabe-se que os cuidados com a saúde mental ainda são alvo de preconceito.

Vivemos uma época em que somos preocupados e estimulados a mostrar uma vida feliz e saudável sem estar vivendo assim de fato e buscar ajuda profissional para cuidar da mente, nesse contexto, poderia ser sinal de fraqueza na vida.

A psicóloga Vanessa Frazzi ressalta a importância de se falar sobre a Saúde Mental. “Colocar a questão da saúde mental em pauta é extremamente importante, não apenas para diminuir o preconceito em relação aos transtornos mentais e para facilitar a adesão ao tratamento, como também para chamar a atenção das pessoas para seus aspectos psicológicos e emocionais. É comum vermos pessoas preocupadas com sua saúde física, desenvolvimento profissional e financeiro por exemplo, mas normalmente o aspecto emocional é relegado a um segundo plano. Prestar atenção às nossas emoções e criar momentos para que possamos vivenciar sentimentos positivos é também cuidado com a saúde mental.”

Cuidar da mente é conquistar o autoconhecimento, é evitar doenças e aprender a lidar com as diversas situações da vida. O processo de autoconhecimento proporcionado pela terapia, ajuda a perceber e a entender os gatilhos que causam a ansiedade, por exemplo, e essa percepção é fundamental na busca por estabilidade e qualidade de vida.

cartilha psicólogos credenciados

cartilha saúde mental

Por: Daniele Canholato Fernandes – Estagiária

14 DE NOVEMBRO: DIA MUNDIAL DA DIABETES

O tema desse ano é: “A família e o Diabetes”

Com o objetivo de promover ações conscientizadoras, o dia 14 de Novembro é dedicado ao combate ao diabetes. A doença é a mais comum das não transmissíveis com elevada prevalência e incidência crescente. Atinge cerca de 415 milhões de pessoas em todo o mundo, estima-se que em 2040 haja um aumento para 642 milhões de pessoas atingidas pela doença.

A data é celebrada desde o ano 1991 pela Federação Internacional de Diabetes (IDF: International Diabetes Federation) e pela Organização Mundial de Saúde. O objetivo da data é chamar atenção da população para a problemática da doença.

Existem diferentes tipos de diabetes e a Tipo 1 que é autoimune. Mais comum na infância mas, podendo ter diagnósticos na fase adulta. Esse tipo é tratado com reposição de insulina, medicamentos, planejamento alimentar e atividade física, ajudando no controle da glicose no sangue.

A doença é caracterizada pelo aumento de açúcar no sangue, mas, não é provocada exclusivamente pelo exagerado consumo de doces. Apesar da ligação com o açúcar, a principal causa da diabetes é a obesidade. A diabetes tipo 2 é exemplo disso, que é quando o organismo não consegue usar adequadamente a insulina que produz ou não produz o suficiente.

Além da diabetes tipo 1 e 2, existem a gestacional e a insipidus.

Caso a doença não seja tratada corretamente, pode acarretar o surgimento de outros problemas de saúde mais graves como, por exemplo, a cegueira, amputação de membros ou até a morte.

Alguns sinais  indicam  a  presença  da  doença, tais como:

  • Aumento de sede e do apetite;

  • Aumento das vezes que a pessoa urina;

  • Alteração visual;

  • Boca seca;

  • Emagrecimento e fraqueza

Pessoas com histórico familiar devem ficar atentas com a diabetes e incluir em sua rotina a prática de exercícios físicos e evitar o aumento de peso. É importante lembrar que o vilão da doença não é o açúcar mas sim o excesso de calorias ingeridas.

Ser diabético não significa que não poderá consumir doces, mas, deverá ingerir em pequenas quantidades e de maneira equilibrada, desde que reduzam o total de carboidratos durante o dia. Outra opção que pode auxiliar no controle da doença, é substituir o açúcar pelo adoçante.

Por: Daniele Canholato Fernandes – Estagiária 

Novembro azul: o mês do combate ao Câncer de Próstata

O mês de Novembro chegou e com ele, damos início as campanhas de prevenção ao Câncer de Próstata. Segundo dados do Ministério da Saúde, ela é a causa da morte de cerca de 28,6% da população masculina. No Brasil, a cada 38 segundos, morre um homem vítima desse câncer, segundo dados recentes do Instituto Nacional do Câncer (Inca).

Mas, o que é a próstata? É uma glândula do sistema reprodutor masculino, localizada abaixo da bexiga e sua principal função, juntamente com vesículas seminais, é produzir esperma.

Assim como “Outubro Rosa”, o “Novembro Azul” é dedicado a campanhas conscientizadoras a fim de promover o diagnóstico precoce da doença, desmitificar os temidos exames e realizar os devidos tratamentos. É importante ressaltar que só é possível ter o diagnóstico da doença por meio de dois exames: o antígeno prostático específico (PSA), permitindo rastrear e definir a sequência mais ideal de tratamento para o paciente com neoplasia de próstata avançada, e o ainda temido exame de toque.

Quais os sintomas?

Em sua fase inicial, o câncer não apresenta sintomas e quando eles começam a aparecer, significa que cerca de 95% do tumor já está em fase avançada, dificultando a cura. Por isso, é importante ir ao médico, no mínimo, de ano em ano.

Na fase avançada, os sintomas são:

  • Dor óssea;

  • Dores ao urinar;

  • Vontade de urinar com frequência;

  • Presença de sangue na urina e/ou no sêmen.

Qual o tratamento?

A forma mais eficaz de garantir a cura do câncer é o diagnóstico precoce. Mesmo com a ausência dos sintomas, homens a partir de 45 anos (com fatores de risco como: histórico familiar da doença, obesidade…), ou 50 anos sem os fatores, devem ir ao Urologista e realizar o exame de toque retal.

O exame permitirá o médico a identificar possíveis alterações da glândula, como endurecimento e presença de nódulos suspeitos. Cerca de 20% dos casos, são diagnosticados apenas com o exame de toque retal.

O melhor tratamento será indicado de acordo com alguns aspectos importantes, como o estado de saúde atual do paciente, estadiamento da doença e expectativa de vida. Em caso de tumores com baixa agressividade, há a opção da vigilância ativa, que será realizado o monitoramento da doença e possível intervenção se houver progressão da mesma.

Por: Daniele Canholato Fernandes – Estagiária 

Quando foi sua última visita ao Ginecologista? Seu exame de mama? Sua TPM?

O Ginecologista é tão importante na vida das mulheres que sua profissão é celebrada anualmente no dia 30 de Outubro. Ele é responsável por cuidar, tratar e prevenir diversas doenças que podem afetar o aparelho reprodutivo feminino

Da infância até a terceira idade, ele estará presente em todas as etapas da vida da mulher, acompanhando as mudanças e cuidando do sistema reprodutor feminino, zelando sempre pela saúde da mulher por completo.

Em outra fase da vida da mulher, ela ainda pode precisar de um Ginecologista Obstetra, especialista em obstetrícia, dedicado ao atendimento de pacientes durante a gestação, realizando o acompanhamento do pré-natal ao parto e pós-parto, garantindo a saúde da mamãe e da criança.

Por vergonha ou descuido, algumas mulheres não se sentem à vontade de ir ao ginecologista e expor todas as suas dúvidas e até mesmo procurar algum tratamento específico. Ele é fundamental na prevenção de diversas doenças, que, se descobertas no início, podem ser tratadas e algumas curadas.

Importância do Ginecologista: Consultas e Exames

Muitas doenças não se mostram através de sintomas perceptíveis como corrimento, dor e coceira. Para detectar seguramente qualquer irregularidade no corpo da mulher, a consulta periódica é de fundamental importância, com a realização de exames e uma avaliação por completo.

Papanicolau (ou citologia do colo uterino) e o exame da mama são alguns dos procedimentos fundamentais realizados em consulta que devem ser realizados periodicamente. Mas as consultas não servem só para detectar doenças. Nelas se tiram dúvidas que surgem em cada etapa da vida, bem como a prevenção à doenças sexualmente transmissíveis.

Além dos procedimentos de prevenção, a observação quanto ao ciclo menstrual, as datas da menstruação, sua duração e volume do fluxo devem ser constantemente observados e informados ao ginecologista.

Dessa forma, ele desempenhará suas funções com muito mais informação e segurança.

Uma boa e completa inspeção ginecológica pode revelar algumas enfermidades, como:

  • Tumores e câncer de colo de útero;

  • Cistos ou tumores fibróides;

  • Câncer de mama;

  • Infecção Vaginal;

  • Doenças sexualmente transmissíveis (DSTs);

  • Doenças inflamatórias pélvicas;

  • Endometriose;

  • Cistite;

Importância do Ginecologista: TPM

Quem nunca sofreu com a TPM? É a famosaTensão Pré-Menstrual”, caracterizada por sintomas físicos e psicológicos que alteram a qualidade de vida das mulheres. Alguns sintomas da TPM podem gerar um desconforto grande na rotina da mulher, como, por exemplo, dores nas mamas, fadigas, dores nas costas, alterações do sono, inchaçosE, claro, sintomas como irritabilidade, nervosismo e instabilidade emocional.

Mas,calma! O ginecologista pode te ajudar a minimizar esses efeitos e fazer com que você passe pela menstruação mais tranquila. Ele vai orientá-la e começar o melhor tratamento voltado aos seus sintomas e em casos mais graves, recomendará medicamentos específicos a fim de amenizar o problema.

Somente a ida regular ao ginecologista poderá ajudar a lidar com o incômodo e investigar se há algo de mais grave acontecendo.

Importância do Ginecologista: Relação Sexual

Já não é novidade que as meninas menstruam mais cedo e tem o início da sua vida sexual mais precoce. Teoricamente, o momento ideal para a primeira consulta ao ginecologista é antes que isso aconteça. O problema é que levar a filha ao médico mais cedo, para algumas famílias, significa estimular o começo da vida sexual, quando na verdade não é bem assim.

O mais bem informada que a menina for sobre gravidez, sexo seguro e, principalmente, as doenças sexualmente transmissíveis, melhor!

É importante que a menina esteja tranquila na consulta e saiba que tudo o que for conversado durante ela, estará eticamente protegido pelo sigilo médico/paciente. Nenhuma informação ali passada será divulgada/ contada para terceiros, garantindo a ela a segurança necessária a uma consulta de qualidade.

Fontes: Portal Drauzio Varella – Informação sobre saúde para todos

Por: Daniele Canholato Fernandes – Estagiária 

22 de Outubro – Dia Internacional da atenção à gagueira

A gagueira é uma disfunção da fala de origem psicomotora, que se caracteriza por repetição de sons e sílabas ou por paradas involuntárias, que comprometem a fluência e a comunicação verbal

O dia 22 de outubro é considerado o Dia Internacional de Atenção à Gagueira, data esta escolhida pela International Fluency Association (IFA – Associação Internacional de Fluência) e pela International Stuttering Association (ISA- Associação Internacional de Gagueira).Essas instituições tem por objetivo reforçar a ideia de que a gagueira precisa ser entendida e respeitada por todos.

De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Fluência (IBF), a ocorrência da gagueira é de 5% em nossa população, ou seja, são 10 milhões de brasileiros passando por momentos de gagueira neste momento. O predomínio da gagueira, porém, é de 1%, ou seja, cerca de 2 milhões de brasileiros sofrem de gagueira crônica.

Importante frisar que a pessoa gaga sabe perfeitamente o que quer dizer, mas não consegue ajustar o tempo e a duração dos sons. Com isso, a pessoa repete ou prolonga a emissão de uma consoante, vogal ou sílaba. Nesses momentos, quando se percebe que vai gaguejar, a pessoa consegue substituir a palavra por um sinônimo que não apresenta a mesma dificuldade de pronúncia.

O Brasil participa das campanhas do Dia Internacional de Atenção à Gagueira desde sua primeira edição, em 1998. Os principais núcleos que promovem campanhas neste dia, no país, são a Associação Brasileira de Gagueira (ABRA GAGUEIRA) e o Instituto Brasileiro de Fluência.

A gagueira afeta especialmente crianças, antes dos 6 anos de idade, numa proporção de três meninos para cada menina.

Mas o que é a gagueira?

A gagueira é provocada pela dificuldade que o cérebro tem de finalizar o som de uma palavra e logo começar uma outra. Isso faz com que as pessoas pronunciem as palavras com mais dificuldade e demorem para completar uma frase, repetindo várias vezes a mesma sílaba.

A gagueira possui vários níveis de gravidade e com um diagnóstico precoce o tratamento é possível. Realizam-se sessões com um fonoaudiólogo para exercitar a fala e, assim, possivelmente curar o problema. No entanto, muitas pessoas não fazem acompanhamento com especialista e o diagnóstico tardio pode fazer com que o distúrbio seja difícil de se reverter.

É importante ficar atento ao comportamento da fala das crianças de 3 a 5 anos, já que estão na fase de aprender a falar. Muitas podem apresentar alguns sintomas do distúrbio, mas, outras podem apenas ser um sinal de adaptação a comunicação e início da fluência. O acompanhamento com um médico especializado ajuda a diagnosticar possíveis problemas.

CAUSAS

São três fatores envolvidos no surgimento do distúrbio, sendo eles: fatores predisponentes, os fatores precipitantes predominantemente ambientais e os fatores perpetuantes, incluindo sentimentos como o medo e a ansiedade, dificultando a oralidade em algumas ocasiões.

É importante lembrar também, que os fatores psicológicos não causam a gagueira, mas podem agravar em pessoas geneticamente predispostas a ter o distúrbio.

PREVENÇÃO

Não há maneiras de prevenir o surgimento da gagueira, porém, é possível conseguir a não evolução do distúrbio e também sua remissão. O diagnóstico precoce ajuda neste aspecto e faz com que a gagueira não cronifique e não tenha cura.

SINTOMAS

Repetição ou prolongamento de sons e sílabas.

Dificuldade para iniciar uma palavra ou frase.

Bloqueio de sons.

Uso de interjeições para fazer a conexão entre as palavras, como “um”, “am”,”então”, “assim”, “aaah”, “né”.

Simplificação de frases.

Ansiedade, tensão muscular e estresse quando a pessoa se sente pressionada para falar ou ler um texto em público, sensações que não se manifestam quando sussurram, falam sozinhas, com um bebê ou com o animal de estimação.

Afastamento do grupo social na escola, no clube, na rua em que mora.

Baixa autoestima.

COMPREENSÃO E EMPATIA AJUDAM!

O simples ato de pedir alguma coisa a uma pessoa pode ser motivo de extrema ansiedade para os gagos. Essa é uma realidade de cerca de 60 milhões pessoas que sofrem coma gagueira. Essas pessoas costumam ser ridicularizadas e discriminados.

Mas como ajudar alguém que gagueja?

Proporcione um ambiente descontraído e calmo. O atual estilo de vida corrido e tenso costuma piorar o problema.

Em vez de pedir ao gago que fale mais devagar, dê o exemplo. Ouça com paciência. Não o interrompa. Não termine as frases para ele. Espere um pouco antes de responder.

Evite criticar e corrigir. Por meio de contato visual, expressões faciais, linguagem corporal e comentários, mostre interesse no que ele diz, não em como ele diz.

A gagueira não deve ser tratada como tabu. Um sorriso amigável e referências ocasionais e bondosas ao problema podem deixar o gago mais à vontade. Talvez você possa dizer algo como: “Às vezes, não é fácil dizer o que queremos.”

Acima de tudo, deixe claro que você o aceita como ele é.

Fontes de pesquisa:  Portal Drauzio Varella e portal “minha vida”. 

Por: Daniele Canholato Fernandes – Estagiária 

Outubro é rosa: se toque!

Nascido na década de 1990, o movimento conhecido como “Outubro Rosa” estimula a população feminina a se tocar e a realizar um diagnóstico precoce do câncer de mama. A data é celebrada anualmente e tem como objetivo semear a prevenção à doença, promover a sensibilização e proporcionar um maior acesso aos serviços de diagnóstico e tratamento.

O câncer de mama, quando detectado em fases iniciais, possibilita o tratamento e a cura na maioria dos casos. Todas as mulheres, independentemente da idade, devem se manter atentas à forma e à textura de suas mamas. A doença é a que mais mata mulheres em todo o mundo. O Inca – Instituto Nacional do Câncer – indica que por ano são registrados 59,7 mil casos e 6,91 mortes para cada 100 mil habitantes.

É recomendado que mulheres de 50 a 69 anos façam uma mamografia de rastreamento, ou seja, quando não há sinais ou sintomas da doença, a cada dois anos. O exame ajuda na identificação do problema, se houver, antes mesmo dos sintomas se manifestarem.

A partir da identificação de um caroço na mama, as mulheres devem ficar atentas a alguns sintomas que podem ser percebidos, tais como: cansaço, perda de peso inexplicável, vermelhidão nos seios, dores na mama, secreção no mamilo, saída de líquido sanguinolento, além de alterações nos seios, nódulo na axila, coceira frequente na mama e formação de feridas perto do mamilo. Além de inchaços no braço.

No mês de outubro aumentamos o foco para esse tema, mas é importante ficar atenta aos sinais do seu corpo durante todos os meses do ano, já que a doença é implacável.

Manter hábitos saudáveis é a melhor forma de prevenção ao câncer de mama, incluindo uma dieta pobre em alimentos gordurosos. Atividade física regular, pouca ingestão de bebidas alcoólicas e nenhum cigarro. A prática de atividade física e o aleitamento são considerados fatores principais de proteção contra a doença.

Se conheça, se toque! O câncer de mama tem cura!

Por: Daniele Canholato Fernandes – Estagiária 

Malária – Conheça mais sobre a doença

A malária é uma doença infecciosa febril aguda, causada por protozoários transmitidos pela fêmea infectada do mosquito “Anopheles”. Descoberta em tempo oportuno, a doença pode ser tratada de forma correta, caso contrário, ela pode evoluir de forma mais grave levando a óbito.

Uma vez no organismo, estes parasitas vão até o fígado e se multiplicam, atingindo assim a corrente sanguínea da pessoa. Eles invadem e rompem os glóbulos vermelhos do sangue, causando febre, suor, calafrios, entre outros sintomas.

Sintomas

Febre alta, calafrios, tremores, sudorese e dor de cabeça, que podem ocorrer de forma periódica. Mas, muitas pessoas antes de apresentarem esses sintomas mais característicos da doença, sentem náuseas, vômitos, cansaço e falta de apetite.

A malária grave é caracterizada pelo surgimento de um ou mais destes sintomas: prostração, alteração da consciência, dispneia ou hiperventilação, convulsões, hipotensão arterial ou choque, hemorragias, entre outros sinais.

Transmissão

É transmitida pela fêmea do mosquito “Anopheles”, infectada por “Plasmodium”, que nada mais é do que um protozoário. Esses mosquitos costumam aparecer em maior quantidade ao entardecer e ao amanhecer. Mas, durante a noite eles ainda oferecem risco, sendo encontrados em menor quantidade.

A malária não é contagiosa, portanto, ela não passa de pessoa à pessoa. É necessário um vetor para que aconteça a transmissão. Apenas as fêmeas do mosquito são capazes de transmitir a doença.

Prevenção

Existem formas de prevenção contra a doença e entre elas estão as medidas e prevenção individual e coletiva. A individual consiste na utilização de roupas que protejam os braços e as pernas, antimosquitos em portas e janelas e o uso de repelentes.

Já as medidas de prevenção coletiva consistem em ações de borrificação de inseticidas intradomiciliar, uso de mosquiteiros, pequenas obras de saneamento para eliminação de criadouros do vetor, entre outras.

Não existe vacina contra a malária.

Tratamento

Após a confirmação médica da doença, o paciente recebe o tratamento adequado em regime ambulatorial, com comprimidos fornecidos gratuitamente pelas Unidades do Sistema Único de Saúde (SUS). Os casos mais graves são hospitalizados de forma imediata.

O tratamento depende de alguns fatores, como a espécie (de plasmodium) do protozoário, a idade do paciente, condições associadas tais como gravidez e outros problemas de saúde, além da própria gravidade da doença.

Quando diagnosticada e tratada de forma correta, o tratamento da malária garante a cura da doença.

Mantenha-se atento e empenhado no combate aos mosquitos. Dentro do possível, preserve os animais que se alimentam deles.

Por: Daniele Canholato Fernandes – Estagiária 

01 de Agosto – Dia Mundial da Amamentação

No dia 01 de Agosto é comemorado o Dia Mundial da Amamentação, data criada em 1992 pela Aliança Mundial de Ação Pró-Amamentação. A data tem como finalidade promover e fortalecer a prática da amamentação natural, com objetivo de combater a desnutrição infantil. Além disso, a ideia é também criar bancos de leite para crianças que não têm condições de serem amamentadas por suas mães.

O dia é comemorado dentro da Semana Mundial de Aleitamento Materno, que acontece em 120 países, anualmente, entre os dias 1° e 07 de agosto.

O leite materno é um alimento completo, fornecendo ao recém-nascido todos os nutrientes necessários para seu desenvolvimento. Pesquisas apontam que a amamentação é um dos grandes aliados na redução da mortalidade infantil. É por meio dela que a criança recebe o cálcio, fósforo e ferro, além de outros nutrientes importantes para seu crescimento saudável.

A amamentação ajuda na formação óssea da criança, previne alergias, anemias e infecções respiratórias, além de aumentar a proximidade do bebê com a mamãe. Dentre outros benefícios, ainda temos:

Para o bebê

– O leite materno contém todos os nutrientes e anticorpos essenciais até o 6º mês de vida da criança;

– Bebês que foram amamentados têm menos chance de se tornarem obesos ou com sobrepeso no futuro;

– A amamentação previne alergias, anemia e infecções respiratórias, como a asma;

– Bebês amamentados têm risco menor de desenvolver diabetes tipo II;

– Crianças que tiveram amamentação exclusiva até os seis meses tiveram 3 pontos em média a mais em testes de QI.

Para mães

– A amamentação reduz a depressão pós-parto;

– O leite materno é acessível;

– A amamentação ajuda no controle da natalidade (tem uma taxa de proteção de 98% nos primeiros seis meses);

– Tem um efeito protetor contra o câncer de mama e de ovário;

– A amamentação reduz o risco da mulher desenvolver diabetes tipo 2 após a gravidez.

Muitas pessoas escutam que o leite de uma mãe pode ser fraco mas, não é verdade. Todas as lactantes apresentam leite capaz de nutrir e proteger seu bebê, já prontinho na mama, e na temperatura ideal para nutri-lo e alimentá-lo em segurança.

As mulheres que por algum motivo não conseguem amamentar seus filhos, o leite materno pode ser encontrado nos Bancos de Leite Humano, mantidos graças às mulheres que na fase de amamentação apresentam excesso de leite e realizam a doação. Além de um gesto de compaixão e bondade, elas garantem qualidade de vida para outras crianças.

Qualquer mamãe que possui excesso de leite materno pode realizar a doação nos seguintes locais no Espírito Santo:

Hospital Estadual Infantil e Maternidade de Vila Velha

Horário de funcionamento:08 às 17 horas, de segunda a sexta-feira.

Endereço: Avenida Ministro Salgado Filho, 918, Soteco, Vila Velha.

Contato: 3636-3151

Hospital Estadual Dório Silva

Horário de funcionamento:08 às 17 horas, de segunda a sexta-feira.

Endereço: Avenida Eudes Scherrer de Souza, s/n, Laranjeiras, Serra.

Contato: 3138-8905

Hospital da Polícia Militar do Espírito Santo (HPM)

Endereço: Bento Ferreira, em Vitória.

Contato: 3636-6568

Hospital das Clínicas (referência do Estado)

Horário de funcionamento: 08 às 21 horas, de segunda a sexta-feira.

Endereço: Avenida Marechal Campos, s.nº, Maruípe.

Contato: 3335-7424 – 3335-7377

Santa Casa de Misericórdia

Horário de funcionamento:07 às 16 horas, de segunda a sexta-feira.

Endereço: Rua Dr. João dos Santos Neves, 143, Vila Rubim, Vitória.

Contato: 3212-7246

Hospital Evangélico de Cachoeiro de Itapemirim

Horário de funcionamento: 07 às 17 horas, de segunda a sexta-feira.

Endereço: Rua Anacleto Ramos, 55, Bairro Ferroviários.

Contato: (28) 3521-7045

Hospital e Maternidade São José, Colatina

Horário de funcionamento: das 07 às 17h20, de segunda a sexta-feira.

Endereço: Ladeira Cristo Rei, Centro de Colatina.

Contato: (27) 2102-2100

Por: Daniele Canholato Fernandes – Estagiária 

Fontes: Ministério de Saúde e Governo do Estado.

Dia do Amigo – 20 de Julho

A amizade é tão importante na vida das pessoas que foi criado um dia específico para homenagear a relação. O dia do amigo, ou dia da amizade, é celebrado em 20 de Julho. A ideia da data surgiu com a chegada do homem à lua. Enrique Ernerto Febbraro (1924 – 2008), criador da data, considerou a chegada à lua um símbolo de união entre as pessoas, significando que juntos os povos poderiam superar desafios considerados impossíveis.

Estimulada pelo sentimento de carinho, lealdade, proteção, etc, ela pode existir entre homens e mulheres, irmãos, namorados, cônjuges, parentes. É um relacionamento social voluntário de intimidade. A base da amizade está no sentimento de reciprocidade do afeto, ajuda mútua, compreensão e a confiança.

Para a amizade acontecer não precisa de regras e nem de pessoas exatamente iguais. A diferença é a melhor ocasião de começar uma amizade, abrindo portas para conhecer outros lugares, gostos diferentes… A amizade acrescenta coisas boas ao outro, e garante companhia para dividir momentos e sentimentos.

Amizade e Saúde

Em 1973, a Universidade Havard realizou o maior estudo sobre a saúde humana. Vários voluntários de todas as idades passaram por entrevistas e exames periódicos a fim de responder a pergunta: “O que faz uma pessoa ser saudável?” e a resposta foi surpreendente: não é a riqueza, a genética, a rotina e nem a alimentação que influi no nível de saúde e sim os amigos.

Os amigos são o principal indicador de uma vida mais saudável. Ter laços fortes de amizade aumenta nossa vida em até 10 anos e previne uma série de doenças. Pessoas com mais de 70 anos têm 22% a mais de chance de chegar aos 80 anos mantendo boas e fortes relações de amizades.

As pessoas que possuem menos de 4 amigos correm um risco maior de possuir doenças cardíacas. Isso acontece porque a ocitocina – hormônio que estimula as interações entre pessoas – age o oposto da adrenalina. Enquanto a adrenalina aumenta o nível de estresse, a ocitocina reduz os batimentos cardíacos e a pressão sanguínea, fazendo com que o risco de doenças cardíacas diminua.

Além de ser fundamental para o bem-estar mental, ter amigos também faz bem ao coração e ao corpo e conhecer pessoas novas é ainda melhor, já que a ocitocina dá impulso às relações e, depois de algum tempo, cede o lugar para o sistema de memória, que age mais rápido.

Fazer amigos no trabalho também é legal pois, quem tem amigos onde trabalha se sente mais feliz na tarefa que desenvolve e se sente cerca de 50% mais satisfeito e até duas vezes mais contente com o salário que recebe. As pessoas que possuem 3 ou mais amigos no serviço, tem 96% de chance de estarem satisfeitas com a vida.

No Dia do Amigo seja grato por todos seus amigos, os “do peito”, os de sempre, os que aparecem de vez em quando, os virtuais, do trabalho, faculdade… Seja grato por todos os amigos que acrescentem algo à sua vida. Fazer amigos e conservá-los é um dom!

Mande uma mensagem, dê um abraço, marque um encontro. Seja grato por ter com quem compartilhar momentos bons e até mesmo os mais difíceis. Celebre o 20 de Julho!

Por: Daniele Canholato Fernandes –  Estagiária

Disque 188 e salve vidas

A partir deste mês, as ligações para o 188, telefone do Centro de Valorização da Vida (CVV), passaram a ser gratuitas em todos os estados do país e no Distrito Federal. Ao ligar, o cidadão é recebido com a frase “CVV, boa tarde. Gostaria de conversar?”. A gratuidade na ligação é um convênio entre a CVV e o Ministério da Saúde.

O CVV é uma associação civil sem fins lucrativos que trabalha com prevenção ao suicídio desde 1973. Contam com 2.400 voluntários que não necessariamente são formados em psicologia, mas recebem uma capacitação de 40h. Todas as ligações são recebidas com total sigilo e contam com um espaço de escuta acolhedor e seguro que ajuda no controle da ansiedade.

No ano passado, o CVV recebeu cerca de 2 milhões de ligações de cidadãos em busca de ajuda, o dobro registrado em 2016. Os atendimentos podem ser realizados através de chat, e-mail e voip 24 horas e nos 87 postos de atendimentos espalhados por todo o Brasil. No Espírito Santo, os postos ficam na Capital Vitória e na cidade de Linhares.

SOBRE O SUICÍDIO

A média nacional de suicídio no Brasil atualmente, em todas as idades, é de 5,5 pessoas por 100 mil habitantes. São, em média, 11 mil pessoas tirando a vida por ano no Brasil. Os homens são os que mais morrem por suicídio e 60% são solteiros. A região sudeste do país concentra 38% dos casos de suicídios.

FIQUE ALERTA

O comportamento de uma pessoa que está passando por crises emocionais ou dificuldades pessoais muda e devemos ficar em alerta. O comportamento suicida surge, normalmente, como consequência de uma doença psíquica não tratada como a depressão severa, síndrome do estresse pós-traumático ou esquizofrenia.

Esse comportamento pode ser evitado quando a família ou amigos conseguem identificá-lo e ajudam a pessoa a procurar e iniciar um acompanhamento ou tratamento adequado.

Com quais os sintomas devemos nos preocupar?

Mostrar tristeza excessiva e isolamento: se isolar, estar frequentemente triste, não ter vontade de participar de atividades com amigos ou familiares são alguns sintomas de depressão, que, quando não tratada, pode levar a pessoa a cometer suicídio.

Fazer ameaças de suicídio: a maioria das pessoas que tem ideações suicidas desenvolvem a ideia por um tempo até que realmente cometam o ato. Elas demonstram vários sinais verbais ou comportamentais frente a amigos, familiares ou estranhos. Esses sinais não podem ser ignorados.

Os sinais podem vir também em palavras e frases como, “Queria dormir para sempre”, “Quero acabar com tudo”, “A vida não tem graça mais” ou até mesmo “Eu preferia morrer”.

Quando se suspeita que alguém pode estar querendo cometer suicídio, é importante demostrar amor e empatia pela pessoa, tentando entender o que está acontecendo e os sentimentos associados. Não se deve ter medo de perguntar se uma pessoa está triste ou deprimida e a partir daí oferecer ajuda e demostrar amor pelo próximo, o que pode tirar muita gente do estado de desespero.

Depois, é importante procurar a ajuda de um profissional qualificado, como um psicólogo ou psiquiatra, de modo a ajudar a pessoa a reencontrar motivos para viver bem e cada vez melhor.

Por: Daniele Canholato Fernandes – Estagiária de Comunicação

Fonte de pesquisas: Site do Ministério da Saúde e site ” + Tua Saúde”.

Resultado de imagem para 188 cvv

09 de Junho – Dia da Imunização

Tomar vacinas e se proteger de doenças deixou de ser atividade “exclusivamente” de recém-nascidos e crianças. Hoje jovens, adultos e idosos são alvos de imunização específica.

Celebrado anualmente em 09 de Junho, o Dia da Imunização tem como um de seus objetivos a conscientização da população em manter em dia o cartão e as vacinas e manter controladas algumas doenças como a caxumba, o sarampo, a gripe, o tétano, entre outras.

Médicos e especialistas chamam a atenção para esta data a fim de alertar sobre a importância da vacinação na fase adulta, já que os sintomas podem ser mais intensos e as sequelas, graves.

Ter o cartão de vacina em dia é de extrema importância e o Ministério da Saúde do Brasil criou o Programa Nacional de Imunizações a fim de lembrar a população da importância das vacinas, estabelecendo um calendário nacional com os dias das principais vacinações (contra doenças que atingem crianças, jovens, adultos, idosos e gestantes).

Veja neste link:

http://portalms.saude.gov.br/acoes-e-programas/vacinacao/calendario-nacional-de-vacinacao

Fique atento!

Os resultados alcançados pela imunização representam um dos maiores avanços conquistado pela saúde pública. Para uma melhor qualidade de vida é preciso assumir hábitos saudáveis como atividade física, alimentação e também a prevenção de algumas doenças através de vacinas ou fazendo uma imunização adequada. Observe as campanhas nacionais e estaduais e converse com seu médico.

Adulto também tem vacina para tomar!

Periodicamente, acontecem as campanhas de vacinação que incluem adultos, como a de gripe e a de febre amarela, recentemente. É importante também ficar atento quanto à vacina da hepatite B, pneumonia, HPV, herpes-zóster (cobreiro), antitetânica, que não tem campanhas, mas, estão disponíveis nos postos de saúde da sua cidade.

Fora estas, para viajar para algumas localidades, dentro e fora do país, existem algumas vacinas específicas a serem tomadas. Por exemplo, ao viajar dentro do país é importante tomar a vacina contra sarampo, tuberculose, tétano, varicela, poliomelite (paralisia infantil) meningite, porque em algumas regiões, casos dessas doenças ainda são registrados.

Quando a viagem for para fora do país é recomendável ficar atento a algumas vacinas como: hepatite A, febre amarela, raiva, febre tifoide, meningite meningocócica, poliomelite, sendo, inclusive necessária a apresentação do cartão de vacina para embarque em voos.

Por: Daniele Canholato Fernandes – Estagiária de Comunicação 


26 de Maio – Dia do Combate ao Glaucoma

O dia do combate ao glaucoma é celebrado anualmente em 26 de Maio e um dos principais objetivos desta data é a sensibilização e a conscientização das pessoas sobre a importância do diagnóstico precoce, já que a doença é considerada “silenciosa”. Ela é conhecida por provocar a perda progressiva da visão e em alguns casos, levando à cegueira total quando não diagnosticada precocemente. 

E você? Sabe o que é e como acontece o glaucoma?

Provocado pela alteração na produção ou na drenagem do líquido que se localiza no interior dos olhos, conhecido como humor aquoso, o glaucoma causa um aumento de pressão no olho, danificando o nervo óptico, podendo assim, levar à cegueira.

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde – OMS, o glaucoma afeta entre 1% e 2% da população com mais de 40 anos de idade, representando cerca de 3 milhões de pessoas. Por isso, o aconselhável é a realização de exames oftalmológicos periódicos com o objetivo de descobrir sinais prematuros desta doença.

Existem fatores de riscos que são propícios ao aparecimento do glaucoma como idade avançada, hipertensão, miopia avançada e hereditariedade.

Seu tratamento consiste na utilização de colírios hipotensores, procedimentos com laser e, em alguns casos, cirurgias filtrantes. O tratamento pode ser longo, pois requer acompanhamento do médico e a realização regular de exames que possam detectar o avanço ou retrocesso da doença. Exames como fundo de olho, e de campo visual são auxiliadores no diagnóstico.

Observe sua visão!

Em alguns casos os sintomas não aparecem de imediato mas é importante ficar atento a alguns sinais que podem eventualmente surgir como, por exemplo: dores nos olhos, enxergar halos ao redor das luzes, perda da visão lateral, visão distorcida ou embaçada.

É importante ficar atento também à vermelhidão dos olhos.

Faça exercícios para descansar a visão!

Para quem trabalha principalmente na frente de um computador é importante que a saúde dos olhos esteja em dia. Alguns exercícios são recomendados para que relaxe a visão. Confira:

– Massageie a parte de baixo das sobrancelhas, com movimentos circulares.

– Mude o campo de visão. Olhe o mais longe que conseguir e em diversas direções, para cima, para baixo, para o lado e para o outro.

Procure consultar-se com um oftalmologista ao menos uma vez ao ano. Sua saúde começa com seu autocuidado!

Por: Daniele Canholato Fernandes – Estagiária de Comunicação 


22 de Maio – Dia do Abraço

No dia 22 de Maio é comemorado o dia do abraço. Esse dia foi criado por intermédio do australiano Juan Mann – um homem que, sentado em uma praça, percebeu que as pessoas ao receberem um abraço ficavam mais felizes. A comemoração se deu a partir de uma campanha de “abraços grátis”, conhecida também como “Free Hugs Campaign” que acontecia nas ruas de Sydney, na Austrália. O objetivo da campanha era incentivar a propagação do carinho entre as pessoas por meio de um abraço.

Não importa a idade, seja como saudação, matar a saudade de alguém ou se despedir, o abraço transmite carinho e não precisa existir relação íntima entre as pessoas para ser praticado.

No Brasil, o ato de abraçar alguém é bastante comum, acontecendo naturalmente entre as pessoas. Na maioria das vezes, o abraço acontece de forma natural, simplesmente surge e não resistimos a ele: abraçamos de volta.

Não só como forma de transmitir carinho, para alguns médicos o abraço é de fundamental importância para se obter sucesso em alguns tratamentos de saúde. Além de confortar, ele transmite força e mostra para a pessoa que não está sozinha naquele momento. Alguns médicos estimulam o abraço, seja da família ou de anônimos, como forma de tratamento de alguns casos.

Efeitos do Abraço

O psicólogo sueco Jan Astrom, que teve seu estudo publicado pela revista brasileira Psicologia Integral, comprovou que os abraços são causadores de reações que ajudam a diminuir o estresse, a ansiedade e a depressão e que essas reações estimulam o sistema imunológico da pessoa.

A neurobióloga Marie Carlson, da Havard Medical School, desenvolveu um estudo na Romênia sobre a saúde física e psicológica de bebês e crianças que cresceram em orfanatos, em que a realidade de contato físico amoroso é quase nula em relação às famílias. Sua investigação constatou que a falta de um abraço na infância afetou gravemente o comportamento dessas crianças na fase adulta.

O abraço promove também o bem-estar, reduz a pressão arterial e melhora a memória. Isso foi comprovado pelo estudo feito na Universidade Médica de Viena, na Áustria, liderado pelo neurofisiologista Jürgen Sandkühler. O estudo ainda mostrou que o efeito só aparece quando o ato de abraçar é feito com alguém de confiança. A “culpa” é da oxitocina liberada no organismo. Esse hormônio, quando presente na corrente sanguínea, é capaz de reduzir a pressão arterial e diminuir a sensação de estresse e ansiedade.

A psicóloga Karen Grewn pesquisou sobre os efeitos do abraço quando o assunto é dor e foi comprovado que o ato de carinho alivia a dor de enxaqueca e, segundo testes, participantes relataram que o abraço diminuiu a dor de cabeça. Sua conclusão foi a de que o cérebro humano recebe primeiro o sinal de alívio e depois a sensação de dor.

ABRACE MAIS!

Por: Daniele Canholato Fernandes – Estagiária de Comunicação 

 


15 de Maio – Dia do Assistente Social

No dia 15 de Maio é comemorado o Dia Internacional do Assistente Social, uma profissão que vem se alterando ao longo dos anos e colaborando no combate à desigualdade social e uma sociedade mais justa e igualitária.

Hoje, ser assistente social é ser um intermediário nas políticas públicas e sociais. É o técnico qualificado para tratar de projetos e ações da área social, promovendo a qualidade de vida e o exercício dos direitos sociais. O Brasil possui mais de 120 mil profissionais de Serviço Social cadastrados no CFESS – Conselho Federal de Serviço Social.

Esses profissionais são capacitados a atuar em questões sociais e políticas sociais públicas, amparando pessoas que não possuem o acesso total à cidadania. São trabalhadores que auxiliam a população a resolver seus problemas ligados à área de educação, habitação, emprego e saúde. Eles lutam por mais reconhecimento e direito a todos.

O dia é em homenagem a uma categoria profissional que contribui todos os dias na construção de uma sociedade democrática, atuando com justiça e igualdade social. Esses profissionais trabalham na potencialização de indivíduos e grupos de pessoas, colaborando no exercício dos direitos sociais, fundamentais para uma sociedade justa e mais humanizada.

Parabéns a todos os profissionais Assistentes Sociais do Poder Judiciário / ES pelo empenho, esforço e o compromisso com os direitos e cidadania das pessoas.

Por: Daniele Canholato Fernandes – Estagiária de Comunicação 

 


12 de Maio – Dia do Enfermeiro

O dia Internacional dos Enfermeiros é comemorado no dia 12 de Maio. O trabalho desses profissionais é essencial para a garantia da recuperação e salvamento de vidas. Trabalham em hospitais ou instituições de saúde e em alguns casos, prestam atendimento a domicílio.

Essa data é referência ao aniversário de nascimento da inglesa Florence Nightingle que aos 17 anos optou por ser enfermeira acreditando ser um chamado de Deus. Hoje ela é conhecida como a “mãe” da enfermagem moderna.

No Brasil, entre os dias 12 e 20 de Maio, acontece a “Semana da Enfermagem” em homenagem a dois grandes nomes, Florence Nightingale e Ana Néri – a primeira enfermeira brasileira a se alistar voluntariamente em combates militares administrando medicamentos e trazendo conforto aos doentes.

Desde os tempos do Velho Testamento, as mulheres eram responsáveis por cuidar e proteger os doentes, idosos, crianças e principalmente os portadores de necessidades especiais. Durante muito tempo, a enfermagem foi vista como “profissão feminina” e hoje esse perfil é bem diferente e se misturam mulheres e homens.

Assim, desde tempos remotos, o trabalho do enfermeiro é dedicado a promover, manter e a restabelecer a saúde das pessoas, sempre em parceria com outros profissionais como os médicos, psicólogos e nutricionistas.

Onde há enfermagem, há cuidado com a vida

Na Coordenadoria de Serviços Psicossociais e de Saúde, contamos com a profissional Juliana Schunk que, por mês, realiza, em média, 60 atendimentos entre emergência, urgência, curativos, controle de pressão e encaminhamentos, atividades que só puderam ser realizadas após sua chegada à equipe. Juliana atua também no acompanhamento de estatísticas de afastamentos do trabalho e no atendimento multidisciplinar.

Parabéns pelo empenho, esforço diário e o compromisso com a saúde e a vida de todos.

Por: Daniele Canholato Fernandes – Estagiária de Comunicação 

07 de abril – “Saúde para todos” no Dia Mundial da Saúde.

O Dia Mundial da Saúde foi criado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), em 1948, e tem o intuito de apontar e discutir questões universais de bem-estar e saúde para todos os povos. Visa contribuir com a melhoria da qualidade de vida das pessoas em todo o mundo, e também alertar sobre os principais problemas que podem atingir a população.

Para tanto, todo ano é feita uma campanha com um tema específico, que representa uma prioridade na agenda internacional da OMS e da qual surgem trabalhos de conscientização e sensibilização. Essas ações são fundamentais para informar a população sobre seus direitos e atitudes que podem tomar para o cuidado com seu bem-estar físico e mental.

O Dia Mundial da Saúde é celebrado no próximo dia 7 de Abril e, neste ano, o tema é “Saúde para todos”, o que resume o objetivo da OMS no decorrer de seus 70 anos de existência.

A OMS chama a atenção para a importância da saúde universal – que significa garantir que todas as pessoas e comunidades tenham acesso aos serviços de saúde sem qualquer forma de preconceito e sem sofrerem dificuldades financeiras.

MARÇO AZUL-MARINHO: CÂNCER DE CÓLON (COLORRETAL)

O câncer colorretal é um tipo da doença que abrange tumores que agridem um determinado segmento do intestino grosso e o reto, porém as células da doença podem se multiplicar, seja de forma lenta ou rápida. Além da capacidade de se multiplicar, as células malignas também podem espalhar-se para diversas partes do corpo, esse processo é denominado metástase. Segundo pesquisas do Instituto Nacional do Câncer (INCA), estima-se que em 2018 34.280 mil novos de câncer no cólon podem aparecer no Brasil.

Os fatores de risco do câncer colorretal estão associados à dieta com alto teor de gordura e pouca fibra, ingestão de carnes gordas assadas em carvão, alimentos muito processados (linguiças, salames, entre outros), pois estes liberam substâncias cancerígenas no intestino. Outros fatores como a falta de exercício físico, fumo e consumo exagerado de álcool podem contribuir para o desenvolvimento da doença.

Os sintomas do câncer de cólon ou colorretal estão associados a dores no abdômen, pélvis ou reto, sangue nas fezes, diarreia, evacuação frequente, gases em quantidades excessivas, náusea ou obstrução intestinal, anemia, perda de peso e nódulo no abdômen. Caso esses sintomas apareçam é recomendável procurar um médico imediatamente.

O tratamento de câncer de cólon depende da localização do tumor, da extensão do tumor para outros órgãos e do quadro de saúde do paciente. Os pacientes são tratados por uma equipe multidisciplinar composta por cirurgião oncológico, oncologista clínico, radioterapeuta, nutricionista, enfermeiros estomaterapeutas e psicólogos.

FEVEREIRO LARANJA: SEJA UM DOADOR DE MEDULA ÓSSEA

Como já dissemos aqui, fevereiro é um mês engajado em alertar sobre várias doenças. E hoje falaremos sobre a campanha Fevereiro Laranja, que busca alertar a população sobre o combate à Leucemia. Com o surgimento de 257 mil novos casos por ano, a leucemia está entre os tipos de câncer mais comuns em todo o mundo de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca). Estima-se que este ano, somente no Brasil, há chances de 10 mil novos casos da doença.

Existem quatro tipos de leucemia, entre elas estão: Leucemia linfóide crônica que se desenvolve de forma devagar, além de manifestar-se em pessoas com mais de 55 anos. Leucemia mielóide crônica que se desenvolve vagarosamente e ataca principalmente adultos, leucemia linfóide aguda que agrava-se rapidamente e é o tipo mais comum em crianças, porém pode ocorrer em adultos, e por último, mas não menos importante, leucemia mielóide aguda que também avança rapidamente e ocorre principalmente em adultos em torno dos 60 anos. Além desses, a doença pode apresentar outros subtipos.

Os sintomas mais comuns da leucemia são infecções, hemorragias, anemias por conta do prejuízo causado pela produção de plaquetas, glóbulos brancos e glóbulos vermelhos, mas pode apresentar sintomas variados. Já o tratamento pode variar de acordo com o tipo da doença e suas variações. O transplante de medula ocorre tanto nos tipos crônicos como nos tipos considerados agudos.

Quem deseja ser um doador de medula pode procurar o Hemoes. No local do cadastramento, o voluntário preencherá um formulário com dados pessoais, além de autorizar uma coleta de 5ml de sangue. Após o resultado do exame para saber a genética do indivíduo, essas informações serão cadastradas no Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea – Redome. Doando você pode salvar vidas!

Fonte:

http://www.interne.com.br/novidades/index.php?option=com_content&view=article&id=9307:fevereiro-laranja-mes-de-combate-a-leucemia&catid=26:saude&Itemid=3

https://www.acidadeon.com/ribeiraopreto/cotidiano/cidades/NOT,2,2,1227867,Campanha+Fevereiro+laranja+conscientiza+a+populacao+sobre+a+leucemia.aspx

 

FEVEREIRO ROXO: “SE NÃO HOUVER CURA QUE, NO MÍNIMO, HAJA CONFORTO”

Fevereiro é o mês do combate ao mal de Alzheimer, fibromialgia e o lúpus. Existem diferentes cores para representar este mês, entre elas: roxo e laranja. As doenças representadas pela campanha Fevereiro roxo são distintas, porém possuem em comum o fato de não apresentarem cura. Todavia, devem ser tratadas desde seu diagnóstico.

Lúpus é uma doença autoimune que pode afetar principalmente a pele, articulações, rins e cérebro, mas, também, pode afetar os demais órgãos. A doença ocorre quando o sistema imunológico ataca e destrói alguns tecidos saudáveis do corpo. Os sintomas podem variar de acordo com as partes do corpo que forem afetadas pela doença, mas, no geral, estão ligados a febre, fadiga, queda de cabelo, dores nas articulações, entre outros…

Já mal de Alzheimer é uma doença que provoca destruição progressiva e irreversível dos neurônios. O Alzheimer ocorre habitualmente em pessoas com mais de 65 anos, sendo a causa mais comum de demência na população idosa. Os sintomas iniciais são perda de memória, perda de objetos pessoais, dificuldade para completar tarefas, desorientação temporal e espacial, problemas de linguagem, alterações no comportamento.

A fibromialgia é uma síndrome comum em que sente-se dores por todo o corpo durante longos períodos. As causas da doença ainda são desconhecidas, mas, existem vários fatores que estão associados à genética, infecções por vírus e doenças autoimunes, distúrbios do sono, sedentarismo, ansiedade e depressão. Os principais sintomas são a dor generalizada, fadiga, dormência, exaustão…A fibromialgia é mais comum em mulheres do que homens, em especial naquelas entre 20 e 50 anos.

Fonte:

https://maisminas.org/fevereiro-roxo/

JANEIRO BRANCO: quem cuida da mente, cuida da vida!

Nascida em 2014, em Urberândia (MG), a campanha Janeiro Branco chega à sua 5ª edição em 2018 pretendendo sensibilizar a sociedade em favor da saúde mental com ações que serão realizadas em várias cidades do país em todo o mês de Janeiro. A campanha pretende chamar atenção das mídias e das instituições sociais, públicas e privadas, para a importância da promoção da Saúde Mental e do combate ao adoecimento dos indivíduos.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), em 2017 a sociedade brasileira foi recordista latino-americana em casos de depressão, campeã mundial em relação à ansiedade e a quarta colocada em relação ao crescimento das taxas de suicídio entre os jovens da América Central e da América do Sul. Estes dados comprovam que, apesar da necessidade evidente de falar sobre Saúde Mental, muito pouco ainda se discute a respeito.

Segundo o psicólogo Leonardo Abrahão, idealizador da campanha, a cor branca e o mês de janeiro foram escolhidos justamente para reforçar a crença de que no início de ano é possível escrever uma nova história. “Através da Campanha Janeiro Branco pretendemos estimular a criação de uma ‘cultura da saúde mental’ no mundo e, ao mesmo tempo, difundir um conceito ampliado de Saúde Mental/Saúde Emocional como um estado de equilíbrio – individual e coletivo – sem o qual não é possível viver satisfatoriamente em sociedade. Escolhemos o mês de janeiro para mobilização pelo fato de que, por força cultural da simbologia atribuída à virada de ano, as pessoas estão predispostas a pensar sobre as suas vidas em diversos aspectos e, a cor branca, porque, também simbolicamente, queremos mostrar às pessoas que, como em uma folha em branco, qualquer um pode escrever e reescrever a sua própria história, desenhando e redesenhando novas possibilidades perante a vida”, pontua Abrahão.

REFLEXÃO SOBRE A IMPORTÂNCIA DE FAZER PSICOTERAPIA E DE CUIDAR DA SUA SAÚDE MENTAL:

O autoconhecimento é de origem social. Só quando o mundo privado de uma pessoa se torna importante para as demais é que ele se torna importante para ela própria. Ele então ingressa no controle de comportamento chamado conhecimento. Mas o autoconhecimento tem um valor especial para o próprio indivíduo. Uma pessoa que se ‘tornou consciente de si mesma’ por meio de perguntas que lhe foram feitas está em melhor posição de prever e controlar seu próprio comportamento”.

Skinner, B. F. (1974). About Behaviorism. New York: Appleton-Century-Crofts.

01 DE DEZEMBRO: DIA MUNDIAL DA LUTA CONTRA A AIDS

Há 20 anos, durante uma assembleia realizada em outubro de 1987, a Organização Mundial da Saúde (OMS) em parceira com a ONU, intitularam o dia 01 de Dezembro como Dia Mundial da Luta contra a AIDS. Além de alertar a população sobre a importância do uso do preservativo, a data também tem a função de auxiliar no combate contra o preconceito que os portadores do HIV – vírus humano de imunodeficiência – sofrem por causa da doença.

Os sintomas da AIDS são silenciosos. Mas, ao ser contaminado com o vírus HIV os sintomas podem surgir 3 a 6 semanas após a contaminação. Em geral, eles se assemelham com um resfriado, apresentando febre, tosse seca, dor de garganta. Com o enfraquecimento do organismo, outras ocorrências podem surgir, como as dores nos músculos e articulações, rápida perda de peso, diarréia por mais de um mês, manchas avermelhadas e pequenas bolinhas vermelhas na pele. Entretanto, é válido ressaltar que os sintomas podem demorar até 8 anos para se manifestar.

A baixa imunidade permite o aparecimento de doenças oportunistas, que recebem esse nome por se aproveitarem da fraqueza do organismo. Essa pode ser considerada uma das fases mais avançadas da AIDS, pois quem chega a esse estágio, pode sofrer com hepatites virais, tuberculose, pneumonia, toxoplasmose e até alguns tipos de câncer. Para evitar possíveis eventualidades, o Ministério da Saúde indica que após 40 a 60 dias da situação de risco, seja realizado o exame de sangue para saber se tem HIV. O teste deve ser repetido depois de 6 meses.

A AIDS ainda não apresenta cura, mas hoje é possível ter uma vida normal. Para isso, basta somente tomar os cuidados necessários e fazer uso do coquetel antirretrovirais. No Brasil, o SUS (Sistema Único de Saúde) distribui gratuitamente o coquetel para HIV e outros medicamentos auxiliares. O ideal é que seja utilizado o preservativo, para que assim, não seja necessário lutar contra essa ou qualquer outra doença sexualmente transmissível.

DIA MUNDIAL DO DIABETES

Hoje, 14 de Novembro, comemora-se uma data importante e que deve ser lembrada. Em 1991 a International Diabetes Federation (IDF) junto à Organização Mundial da Saúde (OMS) intitularam este dia quatorze como o Dia Mundial do Diabetes. Por isso, o mês é conhecido como Novembro azul (sim, o novembro azul surgiu antes desse mês ser eleito o mês de combate ao câncer de próstata, o que aconteceu somente em 1999).Para este ano, o tema escolhido foi “Mulheres e diabetes: nosso direito a um futuro saudável”. Entretanto o alerta é para todos. Fique atento aos sintomas.

O Diabetes é uma doença caracterizada pela elevação da glicose no sangue (hiperglicemia). A doença pode ocorrer devido a alguma irregularidade na ação do hormônio insulina, que é produzido no pâncreas. A insulina tem como principal função promover a entrada da glicose nas células do organismo de modo em que ela possa ser aproveitada para diversas atividades celulares. Devido a falta de insulina ou alguma irregularidade em sua ação, há um acúmulo de glicose no sangue.

Existem diferentes tipos de Diabetes, pois cada forma da doença diferencia-se nos sintomas, complicações e tratamentos. Os tipos mais comuns são: diabetes mellitus tipo 1 e 2, diabetes gestacional e insipidus. Caso a doença não seja tratada, pode acarretar uma série de outros problemas de saúde, como a cegueira, amputação de membros ou até mesmo causar morte.

CÂNCER DE MAMA: SE TOQUE!

O mês de outubro está chegando ao fim e com ele a campanha Outubro Rosa, mas, o alerta contra o câncer de mama deve continuar. Conhecer-se pode ser a saída para a cura. O câncer de mama é o tipo mais comum da doença, além de ser o que mais mata mulheres em todo o mundo, segundo dados da Agência Internacional de Saúde. Por isso, se tocar pode fazer com que o diagnóstico seja mais rápido, elevando as taxas de sucesso no tratamento. Mas, algumas vezes, conforme o depoimento que apresentamos aqui, só a mamografia pode realmente detectar alguma anormalidade.

De início o câncer de mama não apresenta sintomas. A partir do descobrimento de um nódulo associado a um caroço na mama, podem ser percebidos sintomas como cansaço, perda de peso inexplicável, vermelhidão nos seios, dores na mama, secreção no mamilo,   saída de líquido  sanguinolento, além de  alterações nos  seios, nódulo na axila, coceira  frequente na  mama e  formação de  feridas  perto do mamilo e inchaço no braço. 

Os fatores de   risco  estão associados    aos   antecedentes   familiares de câncer de mama,  ter  mais   de cinquenta anos,   ter  inciado  o  clico menstrual antes dos doze anos  ou,  ainda,  ter  tido  a  menopausa tardia ou precoce. Entretanto,  o diagnóstico prévio aumenta e pode melhorar as chances de cura,  por isso, fazer  o  autoexame  é imprescindível.

Em novembro de 2003, Silvana  Maia, aos 46 anos  descobriu  o  câncer de  mama de uma forma  inusitada.  “Estava   passando  por  uma clínica de  ginecologia  e  resolvi entrar e fazer uma mamografia, pois nunca havia feito. O resultado foi uma neoplasia maligna, ou seja, câncer de mama em estágio inicial…”

Foi silencioso, não tive nódulos nem caroço”

Foi em Novembro de 2003,  aos 46 anos.  Passava   por uma clínica  de  ginecologia e  resolvi  entrar  para  fazer  uma  mamografia,  pois até  então nunca  havia  feito. O resultado foi uma neoplasia maligna, ou seja, câncer de mama em estágio inicial. De início   não  senti  nenhum  sintoma.   Foi silencioso,  não  tive  nódulos  nem  caroço. Na mamografia constatou-se a imagem de “pontinhos” como em um céu estrelado.

O tratamento foi de imediato. Após receber o  resultado da  mamografia constatando um carcinoma ductal in situ (câncer de mama localizado),  fui para  Belo  Horizonte e posteriormente    à bateria  de  exames,  fui submetida à mastectomia radical, que foi escolha    minha.   Agindo assim,  não tive que    fazer tratamento    coadjuvante.   Estou curada há 12 anos,  e deixo  como  conselho para quem está passando por essa fase que   jamais   desista,   pois  o câncer  de  mama  tem cura.   A  medicina  está  muito avançada nessa área. Tenha fé, persevere e pense positivo.” – Silvana Maia, 60 anos, mãe de uma estagiária do PJES.

Se toque, mas, também faça a mamografia!

Frequência do câncer de mama por faixa etária:

Dados encontrados em: Radiologia Brasileira

FALANDO DE TABU: O SUICÍDIO

#SETEMBROAMARELO

Silencioso, ele pode aparentar ser sem motivo nem razão. O sofrimento é quase certo para quem fica — já para quem se foi, o suicídio é considerado muitas vezes a única saída para acabar com uma dor e agonia imensuráveis.

Nas rodas de conversa, no ambiente familiar ou num bate papo entre bons amigos, o suicídio nem mesmo é lembrado. Culturalmente,é taxado como tabu. Entretanto, o suicídio pode estar mais próximo do que imaginamos e, por isso, é necessário falarmos dele.

O medo, a vergonha ou achar que nada resolverá determinada situação são sentimentos que se prendem na mente suicida, fazendo com que e o mundo se torne obscuro, onde a luz precisa entrar. Para chamar a atenção para essa causa, a Organização Mundial deSaúde (OMS) escolheu o dia 10 de Setembro como o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio. A campanha dura o mês inteiro e tem como intuito sensibilizar e alertar a população a respeito da importância de conversar sobre o tema. Durante todo o mês de setembro, monumentos históricos e pontos turísticos, como o Cristo Redentor/RJ, Palácio Anchieta/ES, são iluminados de amarelo fazendo menção à campanha.

De acordo com um relatório realizado pela OMS, o Brasil é o 8º país com maior taxa de suicídios em todo o mundo. Além disso, afirma que a cada 40 segundos uma pessoa comete suicídio, sendo, pelo menos, 20 tentativas fracassadas. Os números são alarmantes e com eles só temos uma certeza: precisamos falar sobre suicídio. Desmitificar esse tabu é a melhor forma de prevenção, pois abre espaço para ouvir o outro. Segundo os sites do movimento Setembro Amarelo e da OMS, 9 em cada 10 casos poderiam ser evitados com auxílio de uma conversa, de um ombro amigo.Falar é a melhor solução!

Onde procurar ajuda?

Centro de Valorização da Vida (CVV) 141

API (Apoio a Perdas Irreparáveis) / Vitória (27) 3225 1776

Vita Alere

Instituto de Psicologia 4 Estações


Para saber mais do assunto tratado leia também a cartilha produzida pela Prefeitura do Município de Encantado/RS.

Cartilha_de_Prevencao_ao_Suicidio

VAMOS CONVERSAR!

#DEPRESSÃO

Você tem se sentindo cabisbaixo com frequência? Isso pode ser sintoma de depressão!Estima-se que no mundo 322 milhões de pessoas apresentam este quadro, só no Brasil, são 11,5 milhões de brasileiros deprimidos. Em prol desde assunto, a Organização Mundial da Saúde (OMS) – que todos os anos comemora o dia 7 de Abril como dia Mundial da Saúde – deu início a campanha de 2017 sobre depressão, com o tema “Let’s Talk” (“Vamos conversar”, em português).

A depressão é um transtorno que pode afetar pessoas de diversas faixas etárias e a campanha deste ano reforça que existem formas de prevenir e de tratar a doença. A OMS alerta que a depressão é um transtorno que pode evoluir e se agravar devido a falta de tratamento, o que compromete a qualidade de vida ao longo do tempo. O primeiro passo para desmistificar o assunto é trazer o tema para o debate social, chamando atenção para o assunto e estimulando a busca por apoio e tratamento.

Tipos e sintomas:

Um quadro depressivo pode ser considerado leve, moderado ou grave. Isso é caracterizado de acordo com os sintomas. Uma pessoa com quadro depressivo leve ou moderado, normalmente não apresenta dificuldades em continuar um trabalho simples ou atividades do dia a dia. Já no episódio considerado grave, é impossível que a pessoa afetada possa continuar com as atividades diárias, e até domésticas.

Além da constante tristeza, apatia, falta de motivação, dificuldade de concentração, insegurança e muitos outros sintomas, com o passar do tempo a depressão pode causar sintomas físicos. São eles: problemas digestivos, dor de cabeça, distúrbios do sono, cansaço ou fadiga, mudanças no apetite e no peso.

Tratamento

O tratamento consiste no uso de antidepressivos receitados pelo Psiquiatra, psicoterapia ou combinação de ambos. Cada vez mais, as pesquisas sugerem que esses tratamentos podem normalizar as alterações cerebrais associadas a depressão, fazendo assim, com que a pessoa possa viver normalmente.

Apesar de ter tratamento a depressão, infelizmente, é uma doença que não tem cura. Por isso, é fundamental que o tratamento seja feito durante toda a vida, para que assim, não ocorra episódios de crises. Ajuda é fundamental neste diagnóstico, caso apresente sinais de depressão procure um psicólogo!

Carolaini Felício

Estagiária em Comunicação – CSPS

É possível recomeçar!

#Aposentadoria

Para alguns, aposentadoria é sinônimo de felicidade, um verdadeiro sonho. Entretanto, existem aquelas pessoas, que em suas cabeças nem passa a ideia de se aposentar, pois sentem-se improdutivas afastadas do trabalho. Apesar da associação de aposentadoria com velhice, ao se aposentar a pessoa entende que está sendo obrigada a afastar-se de suas atividades diárias no auge da carreira, mas após a chegada dessa nova fase da vida, é necessário entender e buscar novos objetivos, projetos de vida, adquirir novas habilidades, e principalmente colocar em prática um sonho, já adormecido devido a falta de tempo durante o tempo de trabalho.

Assumir atividades prazerosas depois da aposentadoria, seja um novo trabalho ou habilidades, ajuda na qualidade de vida. Isto não está relacionado a questão de ser produtivo, e sim de ter o que fazer, de ocupar a mente com algo que faz bem. Um envelhecimento de qualidade pressupõe cuidados ao longo da vida, e acontece com o adequado planejamento da aposentadoria. Planejar-se em qualquer fase da vida é fundamental, principalmente quando chega a hora de recomeçar.

Após a aposentadoria, podem surgir sintomas de depressão devido ao sentimento de vazio. Além disso, surge a necessidade de complementar a renda, e disto pode nascer uma grande ideia para um recomeço, uma nova habilidade. Empreender pode ser o pulo do gato. Nunca é tarde demais para ser o melhor naquilo que deseja fazer, a prova disso são empresários que lançaram empresas famosas após/ou prestes a se aposentar.

Confira!

Coca-Cola

A marca mais famosa do mundo, a primeira a vir na mente quando se trata de refringentes, foi criada por um homem que já tinha 55 anos: John Pemberton.  Engana-se quem pensa que a ideia foi trabalhada desde sua juventude (afinal de contas, ele tinha estudado medicina e farmácia). Na verdade, a invenção foi produto de seus pensamentos depois de voltar da Guerra Civil.

Mc Donald´s

Ray Kroc era um vendedor de máquinas de milk-shake de 52 anos, mas ele, ao contrário da maioria dos autônomos de meia-idade, não pensava, a essa altura do campeonato, em aposentadoria. Sua mente buscava por novas ideias. Ele abriu a própria loja, em abril de 1955, no subúrbio de Chicago, fazendo do restaurante uma vitrine para a venda de franquias em todo o país, com a eficiência no atendimento e limpeza do local.

Com isso, notamos que com sabedoria, programação e força de vontade vemos que a aposentadoria não é o fim da vida, e sim, apenas um recomeço. Basta somente investir e acreditar que independente da idade você não está inapto para nada!

O segredo sobre fazer mudanças é não focar toda a sua energia lutando contra o velho. Mas sim construindo o novo”. – Sócrates

Carolaini Felício

Estagiária em Comunicação – CSPS

Maio, mês das mães: conheça o projeto Octo!

Polvo

 

O dia das mães já passou, mas como Maio é o mês das mães, nós da Coordenadoria de Serviços Psicossociais e de Saúde, queremos homenagear e exaltar as mamães do Judiciário, que são verdadeiras guerreiras. Dessa forma, nada melhor do que conhecermos um projeto que tem mudado as UTIs neonatais de muitos hospitais do nosso Estado.

Confira abaixo!

Em 2013, na Dinamarca, um grupo de voluntários decidiu fazer polvos de crochê para bebês prematuros, um projeto chamado Spruttengruppen. O projeto foi pensando tendo em vista o conforto e a humanização dos prematuros, que desde os primeiros testes com os bebês e o uso dos polvos, apresentavam melhoras. Os polvos são colocados dentro da incubadora, junto aos prematuros, com seus oito tentáculos (Octo = oito) livres e macios em contato com eles.

Para entendermos melhor a necessidade da existência desse projeto e a importância desse polvinho para os bebês precisamos entender a gravidade do assunto tratado. Bebês que nascem prematuros já são grandes vencedores, pois eles lutam pela vida dia após dia. Considera-se um bebê prematuro o que nascer antes de 37 semanas completas de gravidez. O menor bebê nascido no Brasil, e que sobreviveu, pesava 365g e 27 cm de comprimento, um verdadeiro guerreiro que batalhou para viver.

A mulher se torna mãe a partir do momento em que descobre a gravidez. Após este momento, tanto a mãe quanto a família já começam a amar e aguardar a chegada daquela bênção gerada com amor. Porém, ninguém imagina-se passando dias em uma UTI neonatal com o seu bebê que nasceu antes do tempo, tão pequenino e leve, que chega a caber entre as palmas das mãos. Um grande sofrimento que muitas famílias passam.

No Espírito Santo, o projeto Octo nasceu há pouco tempo, mais precisamente em Março deste ano, nas mãos da artesã Alessandra Areias, 45 anos, responsável e idealizadora do projeto no Estado. A artesã, pesquisando mais sobre Amigurumi (técnica japonesa para criar pequenos bonecos de crochê), descobriu o polvo e resolveu tentar. De início, fez apenas dois, porém com a demanda dos hospitais, atualmente já foram doados 5 unidades para Cachoeiro de Itapemirim, 15 para Salvador e 10 para Colatina. É válido frisar que os polvos não são feitos para comercialização. O Amigurumi é uma técnica de crochê feita somente para trabalhos voluntários.

 Nunca fui voluntária na vida até então, mas sempre tive muita vontade de ser. Chegou na hora que tinha que chegar. O projeto tem me ajudado bastante, é um antidepressivo. Um verdadeiro remédio! Ajudar ao próximo traz uma sensação de plenitude. É a realização que a gente sente como ser humano. Me tornei melhor como pessoa! ” – Alessandra Areias,  Multiplicadora do projeto Octo, Administradora de empresas e artesã.

 Para ajudar tanto a família quanto o bebê nesse doloroso processo de luta pela vida, a existência do polvo de crochê é fundamental, pois os tentáculos remetem ao bebê a sensação de estar ainda no útero materno. Proporcionam sentimentos de proteção e acolhimento, o que acalma os prematuros, além de ajudar a normalizar os batimentos cardíacos e a respiração. O polvo traz conforto para os bebês e as mamães pelos dias que ali ainda deverão permanecer.

 Para ajudar tanto a família quanto o bebê nesse doloroso processo de luta pela vida, a existência do polvo de crochê é fundamental, pois os tentáculos remetem ao bebê a sensação de estar ainda no útero materno. Proporcionam sentimentos de proteção e acolhimento, o que acalma os prematuros, além de ajudar a normalizar os batimentos cardíacos e a respiração. O polvo traz conforto para os bebês e as mamães pelos dias que ali ainda deverão permanecer.

A Drª. Maura Moulin relatou que o uso do polvo tem trazido bons resultados para os bebês.

“Nossa experiência está sendo muito boa. As mães estão adorando e percebemos que o recém nascido realmente fica mais aconchegado e mais calmo. Inicialmente pedimos 5 polvos para treinamento e também porque não sabíamos como iria ser a implantação. Mas nossa UTI tem 27 leitos, sendo 20 neonatais. Agora também estamos conseguindo 2 pessoas aqui de Cachoeiro que doarão mais polvos, e seguiremos em frente. Que Deus abençoe sua vida pela dedicação e pelo amor que sentimos que você tem na realização deste projeto.” – Dra. Maura Moulin Rodrigues – UTI / Pediatria Neo natal”

A demanda tem aumentado e a Alessandra precisa de ajuda, pois ela quer continuar contribuindo com as UTIs neonatais. No momento são apenas quatro pessoas trabalhando com ela e por isso, só tem conseguido enviar 5 polvos para cadahospital. Além de mão de obra, falta material. A artesã e sua equipe criarão oficinas para quem se interessar em ser voluntário no projeto. Segundo Alessandra, cada polvo que chega ao hospital é como um filho, pois leva muito amor. É um trabalho feito com muita determinação e carinho.

 Para mais informações:

Alessandra Areias – (27) 99248-7281

e-mail: alessandra@cybervox.com.br

 

Carolaini Felício

Estagiária em Comunicação – CSPS